Análise: trailer de Star Wars: The Rise of Skywalker tem retornos inesperados

Nesta sexta-feira (12/04), em um painel na Star Wars Celebration 2019, os fãs finalmente puderam conferir o primeiro teaser trailer do nono filme da franquia. Batizado de The Rise of Skywalker, o longa dirigido por J.J Abrams (Star Wars: O Despertar da Força) ainda não tem título traduzido oficialmente em português, mas vamos ser honestos: todo mundo já sabe que vai ser traduzido para “A Ascensão de Skywalker“.

O longa, que encerra a trilogia iniciada em O Despertar da Força (2015) tem estreia marcada para o dia 20 de dezembro e, enquanto essa data não chega, o público já está lotando a internet com teorias de tudo o que pode acontecer. Neste texto farei uma análise do trailer e tentarei me manter no caminho Jedi, sem me influenciar por essas teorias ou pelas minhas opiniões sobre os filmes passados. Está pronto? Então vem comigo!

Toda geração tem sua lenda

Em Os Últimos Jedi, vimos que Rey (Daisy Ridley) não faz parte da família Skywalker. Fato que, além de não diminuir o potencial ou carisma da personagem, não a impediu de demonstrar uma ligação (extremamente) forte com a Força.

No trailer, as cenas de Rey, intercaladas com frases de Luke (Mark Hamill), dão a entender que a heroína enfim decidiu qual é o seu papel neste universo e deve continuar sua jornada para se tornar uma Jedi, assim como reverter o estrago causado por Kylo Ren (Adam Driver) e a Primeira Ordem – não necessariamente nesta ordem!

Ninguém se vai totalmente

Como esperado, em The Rise os Skywalker voltamos a encontrar com Poe Dameron (Oscar Isaac), Finn (John Boyega), Rose Tico (Kelly Marie Tran), Chewbacca (Joonas Suotamo) e com os dróides BB-8, R2-D2 e C-3PO.

Além disso, teremos a chance de nos emocionar com as últimas cenas gravadas por Carrie Fisher como a princesa Leia, ou melhor dizendo: general Organa. A atriz faleceu em dezembro de 2016 e, como deixaram claro que sua imagem não seria reconstruída em computação gráfica para os episódios 8 e 9, é difícil prever como sua participação será encerrada.

Outro destaque foi a aparição de Lando Calrissian, novamente interpretado por Billy Dee Williams. O personagem nem bem conseguiu matar suas saudades da nave Millennium Falcon e já se especula que seria pai da estreante Jannah, interpretada por Naomi Ackie (Lady Macbeth). Por enquanto, mas vamos torcer para que Jannah entre para a enorme galeria de personagens femininas incríveis de Star Wars.

E a maior surpresa do trailer: a gargalhada do Imperador Palpatine, que indica a volta de Ian McDiarmid para o papel.

A risada no trailer não deixa dúvidas de que Palpatine terá participação no episódio IX! (Foto: Lucasfilsm)

Apesar do ator ter aparecido no evento em que o trailer foi transmitido, ainda não se sabe como será a sua participação no filme. Como Ewan McGregor e Sir Alec Guinness estiveram em uma espécie de flashback em O Despertar da Força, pode ser que a gente apenas ouça a voz de McDiarmid em algum trecho do longa.

Outra teoria é que, assim como no recente jogo Star Wars Battlefront II, Palpatine teria deixado algumas gravações em dróides sentinelas, com ordens para serem seguidas caso ele morresse.

Pessoalmente, não estou criando esperanças de que verei o fantasma ou o próprio Imperador nas telonas mais uma vez. Mas, se isso acontecer, talvez eu tenha que ser socorrido por paramédicos durante a sessão.

Sobre o título: A Ascensão de Skywalker

Quem é fã de Star Wars já está acostumado com títulos ambíguos ou que só fazem sentido depois que você acaba de assistir ao filme. Em “The Rise of Skywalker” não é diferente, podendo se referir a qualquer um dos três representantes da família.

Se pensarmos em Luke, que se uniu à Força logo após mostrar que deveria mesmo ser visto como uma lenda ou símbolo de esperança e que poderá transmitir seus conhecimentos como um Mestre Jedi, a ideia de ascensão fica bem clara.

Leia, além de demonstrar que a Força sempre esteve com ela, encerrará sua carreira como general, provavelmente de forma épica. Enquanto isso, seu filho pode sucumbir ao lado sombrio ou se redimir como seu avô em O Retorno de Jedi.

“Ninguém se vai totalmente”. O que o futuro reserva aos Skywalker? (Foto: Lucasfilm)

O fim da saga

Apesar do trailer emocionar, Os Últimos Jedi deixou pouca abertura para uma história grandiosa ser contada. E, mesmo com tanta coisa para ser resolvida ou trabalhada, tenho medo de que o longa acabe se tornando apenas uma batalha final entre o “bem” e o “mal”, conceitos quebrados em O Despertar da Força.

A única certeza que tenho nesse momento é que, qualquer que seja o final desta história, muita gente vai se comover ao assistir seus personagens mais queridos pela última vez no cinema.

E você, o que achou deste trailer?!

Comentários
Avatar

Daniel Generalli

Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo, nerd de nascimento e ganhador do troféu HQMix pelo TCC "Vozes e Traços - O Novo Cenário Brasileiro de HQs".

Comentários estão fechados.