O que já sabemos e o que queremos na série She-Hulk

Carlos Bazela
O que já sabemos e o que queremos na série She-Hulk

Kevin Feige, chefão da Marvel Studios, confirmou em entrevista, segundo o CBR, que a futura série She-Hulk será uma comédia de tribunal, gênero conhecido como “procedural“. Feige confirmou ainda que cada episódio está planejado para durar meia hora, o que seria mais curto do que os habituais 60 minutos de outros programas da Marvel, como WandaVision, que estreia agora, em 15 de janeiro e Falcão e Soldado Invernal, cujos episódios chegam em março.

Assim, fica claro que o programa irá girar em torno do trabalho do alter ego da Mulher-Hulk, Jennifer Walters, como advogada. Uma vez que, nos quadrinhos, Jen consegue seus poderes gama e a cor verde após uma transfusão de sangue do primo, Bruce Banner, Mark Ruffalo já está confirmado para reprisar seu papel na série.

Já foi anunciado também que a heroína terá uma vilã: uma influenciadora digital a quem estão se referindo até agora como Lucy, embora Tim Roth esteja escalado para reviver seu papel de O Incrível Hulk (2008), Emil Blonsky. A série da Mulher-Hulk, terá Tatiana Maslany (Orphan Black) no papel principal, será dirigida por Kat Coiro (Brooklyn Nine-Nine e It’s Always Sunny in Philladelphia) e Anu Valia (de Com Amor, Victor), enquanto os roteiros serão encabeçados por Jessica Gao (Rick and Morty).

E o que a gente quer ver em She-Hulk

Como o próprio Feige já comentou, a série será uma comédia e, embora muito da Marvel já flerte com o humor em muitos filmes e séries, é a primeira vez que uma produção da Casa das Ideias é abertamente descrita como algo do gênero. Sendo assim, esperamos algo parecido com a encarnação da personagem pelos roteiros de John Byrne, em 1989.

Em sua HQ própria, a personagem quebrava diversas vezes a quarta parede, recurso que o Deadpool, mais tarde, viria popularizar, conversando e até transformando em histórias suas interações com a equipe criativa. Aliás, está aí uma ótima oportunidade para o Mercenário Tagarela fazer sua estreia no universo compartilhado da Marvel em tela: como um cliente de Jen Walters.

Sendo uma série de tribunais, as expectativas já estão lá em cima para o Demolidor fazer uma ponta. Mais ainda para a Disney levar o apelo dos fãs em conta e trazer Charlie Cox de volta ao papel de Matt Murdock.

Por fim, com Emil Blonsky confirmado, não nos esqueçamos que, nesse mesmo O Incrível Hulk, tivemos o nascimento de outro vilão: O Líder. Como o personagem caiu no esquecimento do Universo Cinematográfico da Marvel, é bem possível que Tim Blake Nelson dê vida mais uma vez ao cientista Samuel Sterns já transformado no caricato antagonista de cabeça desproporcional.

She-Hulk estreia em 2022 no Disney+.

Comentários
Next Post

Com diversidade, Brooklyn Nine-Nine reinventa pastelão na TV

Veja a cena: em uma movimentada delegacia do Brooklyn, Nova York, todos os policiais se reúnem e entregam um capacete de skatista para um dos detetives. O desafio? Escorregar por todo o saguão usando as meias até o elevador antes do capitão chegar para o trabalho. A sequência, feita em […]
Com diversidade, Brooklyn Nine-Nine reinventa pastelão na TV