Com diversidade, Brooklyn Nine-Nine reinventa pastelão na TV

Carlos Bazela
Com diversidade, Brooklyn Nine-Nine reinventa pastelão na TV

Veja a cena: em uma movimentada delegacia do Brooklyn, Nova York, todos os policiais se reúnem e entregam um capacete de skatista para um dos detetives. O desafio? Escorregar por todo o saguão usando as meias até o elevador antes do capitão chegar para o trabalho. A sequência, feita em slow motion, termina com as portas do elevador se abrindo, com o oficial lá dentro, claro, e voltando a se fechar. As portas abrem novamente, o capitão sai com seu costumeiro ar sisudo e, inesperadamente, levanta o braço do detetive pedindo aplausos.

Esse é um dos muitos momentos divertidíssimos de Brooklyn Nine-Nine, série exibida no Brasil pelo Warner Channel, que está atualmente em sua sétima temporada, mas que pode ser conferida desde o início na Netflix. A trama toda começa quando o capitão Raymond Holt (Andre Braugher, de Cidade dos Anjos) é transferido para comandar a Nine-Nine o detetive Jake Peralta (Andy Samberg, de Saturday Night Live) começa a se sentir ameaçado. Afinal, toda a sua rotina de displicências e brincadeiras está ameaçada. Já para a perfeccionista Amy Santiago (Melissa Fumero, de Gossip Girl) essa é a chance de descobrir todo o possível sobre o novo chefe para se destacar na polícia.

Há ainda espaço para a policial pavio curto Rosa Diaz (Stephanie Beatriz, de Bob’s Burgers), a genial secretária de caráter duvidoso Gina Linneti (Chelsea Peretti, de Parks & Recreation), os absurdos dos inúteis Scully (Joel McKinnon Miller, de Big Love) e Hitchcock (o veterano Dirk Blocker, de Poltergeist: O Fenômeno) e as esquisitices de Charles Boyle (Joe Lo Truglio, de Superbad: É Hoje). Tentando – na medida do possível – colocar algum senso de normalidade no recinto junto com o chefe está o sargento Terry Jeffords (Terry Crews, de As Branquelas e Todo Mundo Odeia o Chris).

O clima escrachado da sitcom faz lembrar imediatamente a franquia Loucademia de Polícia. Afinal, o time da 99ª delegacia, de fato, é composto por policiais competentes em resolver crimes. Mas, traz um humor menos perverso e datado, por assim dizer, ainda que exagerado.

Militância na medida

Embora os episódios sejam escritos para privilegiar o pastelão, a forma que Brooklyn Nine-Nine escolhe contar as piadas é o que mais chama a atenção na série. O capitão Holt, por exemplo, é gay e, se há 10 anos esse seria o alvo das chacotas do roteiro no mesmo tipo de show e com um personagem estereotipado, em Nine-Nine temos um chefe de polícia sério, hilário e assumido. Sendo que o último tópico em nada interfere no segundo. 

Inclusive, há momentos nos quais, brincando, a série fala bem sério. Como nos episódios nos quais Holt relembra a homofobia na polícia dos anos 1970, quando o departamento de relações públicas mostra a visão dos oficiais pela ótica dos cidadãos nova-iorquinos em cartazes estrelados por Santiago e até corrupção na força, quando um ex-parceiro de Jake planta provas para validar uma prisão.

E ainda sobra espaço para a parte criminal das histórias brilharem, com algumas reviravoltas nos roteiros e finais de temporada com ótimos ganchos para os anos seguintes, como Peralta infiltrado na máfia em um e ele e Holt indo parar no programa de proteção à testemunhas.

No mais, a série é para fazer rolar de rir quem gosta de comédias absurdas, que flertam com o non sense em alguns momentos. E que acerta ao mostrar que o gênero evoluiu na TV, deixando claro que os personagens podem ser engraçados por si só, sem recorrer a recursos como sexo e humilhação de minorias, como se fazia anteriormente.

Brooklyn Nine-Nine é a prova de que o humor não morreu “porque o mundo ficou chato demais”, ele apenas mudou para fazer rir pelos motivos certos, ainda que sejam bastante errados. A série já está renovada para sua oitava temporada.

Comentários
Next Post

Os 5 filmes brasileiros mais aguardados para 2021

Como todo mundo acompanhou, os lançamentos no cinema foram duramente afetados no ano passado, porém a indústria começa a vislumbrar um ano melhor para 2021. Por aqui no Brasil, muitas distribuidoras ainda não arriscam datas para seus lançamentos nacionais. Também convenhamos, não estamos no melhor dos cenários. Mesmo assim, apostam […]