Animação Planeta Hulk complementa história de Thor: Ragnarok

Enquanto O Invencível Homem de Ferro reimagina a origem do Vingador Dourado com uma história totalmente nova, Planeta Hulk (2010), outra incursão da Marvel entre as animações, adapta praticamente na íntegra a história escrita por Greg Pak, publicada em 2006. Quase como foi feito com Os Supremos 1 e 2.

Na trama, cujo roteiro é assinado por Greg Johnson, Craig Kyle e Joshua Fine, um grupo de heróis superinteligentes – liderados por Tony Stark (Marc Worden, do primeiro longa do Iron Man) – decide que o Hulk (Rick D. Wasserman, de Os Vingadores Unidos) se tornou um risco para os habitantes da Terra. A solução? Mandá-lo para um planeta onde ele não possa atrapalhar ninguém. Furioso, Hulk danifica a nave, que toma um rumo diferente do previsto.

Hulk Gladiador e Bill Raio Beta se enfrentando em Planeta Hulk

Cotado para Thor: Love and Thunder, Bill Raio Beta é destaque na animação. (Foto: Marvel)

É aí que o Golias Esmeralda aterrissa no planeta Sakaar, um mundo selvagem, governado pelo impiedoso Rei Vermelho (Mark Hildreth, de Ninjago). Lá, mesmo com sua força, Hulk é escravizado e forçado a lutar com toda a sorte de criaturas alienígenas até conseguir arquitetar sua fuga e, com o apoio de gladiadores como Bill Raio Beta (Paul Dobson, de X-Men: Evolution) – alien com roupas e poderes do Thor – comandar uma revolução em seu novo mundo.

Um Hulk menos selvagem

O Hulk inteligente é algo que todo mundo viu nas telas dos cinemas em Vingadores: Ultimato. Mas, se o conceito era novidade no Universo Cinematográfico da Marvel, nas HQs ele já havia sido explorado e abandonado algumas vezes. Principalmente pelo fato do personagem se tornar popular pela sua força e raiva destrutiva.

Planeta Hulk não chega a trazer o personagem usando o intelecto de Bruce Banner, embora esteja consideravelmente mais calmo. Isso serviu para quem não tinha muito contato com o personagem no papel acabar tendo contato e criando empatia com essa outra faceta.

Hulk em cena de luta em Planeta Hulk

No filme, podemos acompanhar com mais profundidade a saga do Gigante Esmeralda. (Foto: Marvel)

No fim das contas, compensa assistir? Mesmo após tantos filmes da Marvel? Se você se perguntou isso quando ficou sabendo dessa animação, a resposta é sim. Principalmente pelo fato do Hulk Gladiador ter sido abordado de forma tão rasa em Thor: Ragnarokafinal, o filme era uma história do Deus do Trovão.

Aliás, partindo do ponto que o longa da Viúva Negra será uma história intermediária entre o segundo e o terceiro filme do Capitão América, não seria de se estranhar que Planeta Hulk fosse adaptada como história entre Vingadores: Era de Ultron e o terceiro Thor. Mais um motivo para conferir a animação.

Comentários
Carlos Bazela

Carlos Bazela

Jornalista e leitor compulsivo, gosta de cerveja, café e chá preto não necessariamente nessa ordem. Fã de boas histórias, principalmente daquelas contadas por meio de desenhos e balões.

Comentários estão fechados.