Omnibus reposiciona Darth Vader na cultura pop

Darth Vader: Omnibus reposiciona vilão na cultura pop

Darth Vader é o vilão mais poderoso de Star Wars, e isso todo mundo já sabe. Após O Retorno do Jedi (1983), os fãs ficaram muito tempo sem uma continuação e sua figura tornou-se ainda mais popular na cultura pop ao longo dos anos. Com a aquisição da Lucasfilm pela Disney, o personagem está voltando com tudo na cronologia da saga, incluindo os quadrinhos.

E a Panini lançou em março deste ano a compilação Star Wars – Darth Vader por Charles Soule, publicada pela Marvel Comics nos EUA entre 2017 e 2019. No Brasil, essas HQs foram publicadas somente uma vez nas 12 edições da segunda série da revista SW, em 2019, pela própria Panini. A arte ficou por conta de Giuseppe Camuncoli, com arte-final de Cam Smith, Daniele Orlandini e Terry Pallot, acompanhados pelas cores de David Curiel, Java Tartaglia, Erick Arciniega, Dono Sánchez-Almara e Guru-eFX. A história do anual tem roteiro de Chuck Wendig, com arte e cores de Leonard Kirk, Walden Wong, Scott Hanna e Nolan Woodard. A capa é do brasileiro Mike Deodato e Arif Prianto (Darth Vader Annual #2).

A edição narra a ascensão de Darth Vader logo depois dos eventos do filme A Vingança dos Sith (2005), que o transformaram no grande vilão da galáxia. mostrando o Lorde Sith se acostumando com seu novo corpo (mais máquina que homem), durante o período em que ele precisa construir seu lendário sabre de luz vermelho – símbolo de sua escolha pelo Lado Sombrio da Força. O primeiro arco da revista (“O Escolhido“) é destinado à construção deste sabre, com detalhes inéditos que envolvem a mitologia por trás destas luxuosas armas.

O Relâmpago da Força

Todos os Sith mais poderosos possuem controle sobre um raio que sai de suas mãos. Vimos Palpatine fazer isso diversas vezes ao longo de toda a saga. Em A Ascensção Skywalker, isso é muito evidente quando ele usa descargas elétricas para causar curto-circuito em uma frota de naves estelares. Nunca vimos Vader fazer isso nos cinemas, mas já sabíamos que ele podia resistir ao choque, como quando ele salva Luke de Palpatine, em O Retorno do Jedi. Nos quadrinhos da Marvel, Anakin não somente usa o Relâmpago da Força como também controla uma versão muito mais devastadora chamada de Relâmpago Vermelho.

O Relâmpago da Força possui várias formas: o raio se manifesta como uma energia branca ou azul, que pode atingir quaisquer alvos. Rey, Dookan e Sidious, por exemplo, podem controlar rajadas com essas características. Contudo, uma terceira variedade, introduzida por Darth Rayze, mostrou que o Relâmpago Vermelho é mais destrutivo. Em Darth Vader #25, Vader envia uma projeção astral de si mesmo através de um portal em seu castelo. Além do véu dessa realidade, ele encontra múltiplas visões de Padme, com seu acesso bloqueado por ninguém menos que Palpatine.

Enquanto está nessa forma, Vader gera o Relâmpago Vermelho para varrer Palpatine de seu caminho. Isso significa que, mesmo que não possa utilizar, Vader possui a capacidade de canalizar o Relâmpago Vermelho em seu espírito – confirmando a transição total de Anakin para o lado sombrio da força. Dessa forma, a Marvel ajudou a reposicionar Darth Vader como um dos vilões mais cruéis e poderosos da cultura pop.

A publicação compila as edições Darth Vader (2017) 1-25 e Darth Vader Annual (2017) 2.

Ficha Técnica:

Formato: 18.3 x 27.7 cm
Número de páginas: 624
Preço: R$ 259,90
Autores: Charles Soule e Giuseppe Camuncoli
Tipo de capa: capa dura com sobrecapa

Next Post

Caballeros traz o melhor do heroísmo portenho

Uma figura vestindo colante vermelho, jaqueta preta e máscara salta por entre telhados de Buenos Aires com a missão de proteger os inocentes. Seu nome? Cavaleiro Vermelho. E ele não é o primeiro a usar esse nome, pois há uma longa linhagem de Caballeros. Publicada no Brasil pela Tai Editora, […]
Caballeros traz o melhor do heroísmo portenho