Focada em Scorpion, Mortal Kombat Legends humaniza ninja amarelo

Carlos Bazela

Mortal Kombat é uma das franquias de maior sucesso nos games. Com onze jogos, já foi adaptada para o cinema – com uma das mais conhecidas trilhas sonoras já feitas – e para a TV. Inclusive em uma animação com tom relativamente leve, que trazia os personagens fechando portais e lutando com ameaças de terras paralelas. Agora, Mortal Kombat Legends: A Vingança de Scorpion traz como animação, em um longa violento e com história bastante fiel à dos primeiros jogos.

Distribuído pela Warner Bros. em formatos digitais e disponível no streaming Looke, A Vingança de Scorpion é dirigido por Ethan Spaulding (Liga da Justiça: Trono de Atlântida) e tem o criador da franquia de luta, Ed Boon, como produtor ao lado de Sam Register, outro nome conhecido das animações da DC também produzidas pelo estúdio.

Aliás, a NetherRealm, desenvolvedora dos jogos, que antigamente era conhecida como Midway, pertence à Warner desde 2010. Essa parceria já rendeu jogos inusitados, como Mortal Kombat vs Universo DC, os três últimos da franquia MK e os dois ótimos games da série Injustice. Agora, chegou a vez de Johnny Cage, Sonya Blade, Sub-Zero e companhia ganharem uma animação adulta com o mesmo tratamento refinado que os heróis da Liga da Justiça.

A história, assim como o jogo inicial, se passa no primeiro torneio. Então, temos o deus elétrico Raiden (Dave B. Mitchel, do jogo Mortal Kombat 11) convocando Johnny Cage (Joel McHale, de Community), Sonya Blade (Jennifer Carpenter, de Dexter) e Liu Kang (Jordan Rodrigues, de Lady Bird: A Hora de Voar) como seus campeões para lutar e defender a terra da invasão de Outworld (ou “Exoterra”, na tradução), o reino paralelo comandado por Shao Kahn (Fred Tatasciore, de Uma Família da Pesada). Para isso, eles precisam derrotar Goro (Kevin Michael Richardson, de American Dad), Reptile e o próprio Shang Tsung (Artt Butler, de Ela), homem de confiança de Kahn.

Primeiro torneio

Ainda que o trio de heróis tenha sua importância e muito destaque, o foco é contar a história de Scorpion (Patrick Seitz, de Ghost in the Shell: SAC_2045). Ou melhor, Hanzo Hasashi, seu nome antes de ser morto junto de seu clã pelos ninjas do clã rival Lin Kuei e seu líder, o mortal Sub-Zero (Steve Blum, de Star Wars Rebels).

Condenado à tortura eterna no Reino do Inferno, Hanzo escapa de suas correntes e faz um acordo com o regente local, Quan Chi (Darin De Paul, de Os 3 Lá Embaixo: Contos de Arcadia), para roubar um artefato de Shang Tsung. Seu prêmio? Enfrentar Sub-Zero, que participa do Mortal Kombat e ter, enfim, sua vingança.

Scorpion em cena de Mortal Kombat Legends: A Vingança de Scorpion
A nova animação de Mortal Kombat preserva a essência dos jogos.

Logo nos primeiros minutos, podemos ver que desenho bebe da fonte dos últimos games da franquia, com a violência ilustrada, com os mesmos detalhes sádicos, que chegam a ser até caricatos. Então, ao longo de uma hora e meia, temos um festival de sangue, vísceras expostas, membros decepados e a tradicional “câmera raio-x” com ossos quebrando em câmera lenta. Um prato cheio para os fãs de Mortal Kombat.

 Franquia animada

Com bela animação e visuais caprichados para personagens icônicos, Mortal Kombat Legends: A Vingança de Scorpion traz sensação de deja-vu ao mostrar o primeiro torneio, mas convence com uma trama que humaniza o personagem amarelo e mostra a origem de sua rivalidade com o gélido ninja azul. E faz isso bem embasado na mitologia dos games.

A história deixa gancho para mais. Por isso, é bem possível que, em breve, tenhamos notícias de um novo filme, com elementos vindos de Mortal Kombat II ou com uma história que seguisse os acontecimentos de Mortal Kombat IX, que funciona como uma espécie de reboot, mudando os acontecimentos dos três primeiros games. O que seria, no mínimo, interessante.

Comentários
Next Post

Dark: 2ª temporada abraça o sci-fi, mas derrapa no drama policial

Ao longo de sua primeira temporada, Dark, a série alemã da Netflix, cativa o espectador prometendo uma nova forma de retratar viagens no tempo e muitos mistérios que cercam a pequena cidade de Winden. Entre eles, onde está Mikkel Nielsen (Daan Lennard Liebrenz, de Triple Ex)? Quando se descobre que […]