The Old Guard é ação competente inspirada em HQ

Novo filme original da Netflix, The Old Guard foi lançado em 10 de julho com uma narrativa repleta de ação inspirada nas histórias em quadrinhos roteirizadas por Greg Rucka e ilustradas por Leandro Fernandez. Na direção de Gina Prince-Bythewood (A Vida Secreta das Abelhas), o longa apresenta ao público um grupo de guerreiros imortais (ou quase) em sua luta para fazer a diferença em um mundo que só quer caçá-los e espezinhá-los desde o início dos tempos.

Com 2h e 5min de duração, a produção mostra a atuação dos soldados comandados por Andy (Charlize Theron, de Mad Max: Estrada da Fúria) através de missões em diferentes países, enquanto procuram manter seu anonimato. Porém, o time acaba caindo em uma emboscada armada por James Copley (Chiwetel Ejiofor, de 12 anos de Escravidão), um ex-agente da CIA que lamenta a morte de sua esposa em decorrência da Esclerose Lateral Ameotrófica (ELA).

Os imortais participaram de eventos importantes da história. (Foto: Aimee Spinks/Netflix)

À medida que Andy e seus amigos, Booker (Matthias Schoenaerts, de Operação Red Sparrow), Joe (Marwan Kenzari, de Aladdin) e Nicky (Luca Marinelli, de Trust), ficam na mira de Merrick (Harry Melling, de Harry Potter e a Pedra Filosofal), empresário da indústria farmacêutica, o título apresenta uma nova imortal. Nile (KiKi Layne, de Se a Rua Beale Falasse) chama atenção do exército americano por sobreviver a ataques letais, o que põe a velha guarda em perigo.

É então que a relutante Nile se torna prioridade para Andy, uma vez que o resgate da jovem significa a garantia dos segredos lutadores ancestrais, assim como o fortalecimento da equipe com a adição de uma exímia combatente. Sem revelar muitos detalhes, a obra ainda trabalha com limites para essa imortalidade e com a existência de outros imortais em épocas antigas. Assim, The Old Guard deixa pontas soltas e estrutura montada para uma possível sequência.

No roteiro simples adaptado pelo próprio Rucka, se destacam a ambição sem medida da indústria em conseguir lucro com a imortalidade, assim como uma misteriosa corrente do bem causada pelas boas ações dos imortais – o que serve de contrapartida para sua existência amargurada por solidão e luto por amores, amigos e familiares mortais. Como se tais reflexões não bastassem, Theron e Layne garantem a adrenalina em cenas de ação bastante intensas.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.