Terror em cores: O Despertar de Cthulhu, Rei Amarelo e os Demônios da Goetia

Seja do psicológico, com nuances de suspense e situações incômodas, ao mais explícito, com muito sangue e violência, o terror tem várias faces. E, com esse repertório, uma infinidade de recursos narrativos capazes de causar emoções em todos os tipos de público.

Com isso em mente, fica fácil entender por que os três volumes publicados pela Editora Draco são HQs tão originais e ao mesmo tempo familiares. Organizados por Raphael Fernandes e com bonitas capas de João Pirolla, os gibis formam uma mórbida trilogia das cores, na qual uma antologia de histórias se liga apenas pelo tema de cada livro, abordando o desespero, a loucura e rituais satânicos.

No primeiro, O Rei Amarelo em Quadrinhos, a base é o romance de Robert W. Chambers, que reúne contos sobre uma misteriosa peça chamada O Rei de Amarelo. Em todas as histórias, o desfecho varia sobre um mesmo tema: a loucura que acomete os que conseguem lê-la até o final.

Em um volume desenhado em preto, branco e amarelo, os autores Raphael Fernandes, Pedro Pedrada, Tiago P. Zanetic, Lucas Chewie, Mauricio R. B. Campos, Péricles Ianuch, Airton Marinho, Marcos Caldas, Erik Avilez, André Freitas, Tiago Rech, Victor Freundt, Rafael Levi, Samuel Bono e Raphael Salimena seguem pelo mesmo caminho.

Em tramas curtas, situadas no passado e presente, os personagens vão arruinando suas vidas em nome do tal monarca, sempre com narrativas pesadas tanto no roteiro, quanto na parte gráfica, nos fazendo perceber o incômodo que é ter a loucura tão próxima de nós enquanto indivíduos.

Já em O Despertar de Cthulhu em Quadrinhos, os autores Dudu Torres, Antonio Tadeu, LuCas Chewie, Airton Marinho, Fabrício Bohrer, Caiuã Araújo, Márcio de Castro, Lucas Pereira, Samuel Bono, Jun Sugiyama, Daniel Bretas, Hilton P. Rocha, Bárbara Garcia e Elias Aquino abordam assuntos diversos como fanatismo religioso e até personagens históricos em contos recheados de desespero.

Também em três cores – só que preto, branco e verde –, as histórias têm a presença constante de criaturas disformes. Todas originadas de planos sobrenaturais, como acontece na obra do escritor H.P. Lovecraft e a sua criação máxima, a divindade pagã que mistura homem, polvo e dragão.

Fechando a trilogia com uma das mais intensas cores primárias, Demônios da Goetia em Quadrinhos amarra uma nova antologia de histórias desenhadas com o vermelho se mesclando ao branco e o preto para dar mais violência ao sangue e à arte gore.

Raphael Fernandes, Daniel Canedo, Caio H. Amaro, Flávia Lima, Juscelino Neco, Erick Santos Cardoso, Kaji Pato, Tiago P. Zanetic, MJ Macedo, Alexey Dodsworth, Lucas Chewie, Airton Marinho, Victor Freundt, Antonio Tadeu e Ioannis Fiore apresentam contos violentos de invocação demoníaca cuja única semelhança é a certeza de que as pessoas não devem tentar comandar aquilo que não compreendem em sua totalidade.

Mesmo com um assunto tão amplo e passível de diversas abordagens, a obra final também se ancora na literatura. Mais precisamente, em um dos grimórios mais conhecidos pelos ocultistas: A Clavícula de Salomão, no qual estão reunidos em detalhes os rituais que o rei bíblico utilizava para invocar e aprisionar 72 demônios, os quais, afirma-se, eram a fonte de sua sabedoria.

Bem escritos, desenhados de forma magistral e com um belo acabamento da Editora Draco, os três títulos são um prato cheio para os fãs de HQs de terror. E até para quem nunca tenha lido nada do gênero. Além disso, são uma prova da criatividade e do talento dos profissionais que se dedicam à nona arte no Brasil. Então, espere anoitecer, acenda uma luz acima de você e boa leitura!

Comentários
Carlos Bazela

Carlos Bazela

Jornalista e leitor compulsivo, gosta de cerveja, café e chá preto não necessariamente nessa ordem. Fã de boas histórias, principalmente daquelas contadas por meio de desenhos e balões.

Comentários estão fechados.