Superman: Alienígena Americano se aprofunda em lado humano do herói

Quando você pensa no Superman, qual a sua primeira impressão sobre o personagem octogenário da DC Comics? Só mais um fantasiado onipotente? Representação antipática da bandeira estadunidense? Símbolo utópico de perfeição? Maior herói de todos os tempos? Depois de tantas aventuras nos gibis, TV e cinema, essas são algumas definições que o público encontra para Clark Kent, e Superman: Alienígena Americano chega para quebrar tais estigmas.

HQ publicada originalmente em 2016, a obra com roteiro assinado por Max Landis é composta por sete histórias que percorrem as mais diferentes etapas da vida de Clark Kent em seu desenvolvimento como o benfeitor de Metrópolis conhecido como Super-Homem. Nesta nova abordagem sobre o último filho de Krypton, Landis trabalha com os artistas Nick Dragotta, Tommy Lee Edwards, Joëlle Jones, Jae Lee, Francis Manapul, Jonathan Case e Jock.

Apesar de extraterrestre, Clark Kent cresceu como adolescente terráqueo em Smallville. (Foto: DC)

Entre os capítulos Pombo e Falcão, encontramos Clark Kent na infância, entre seus primeiros voos sob os cuidados dos pais adotivos Martha e Jonathan Kent, e início da adolescência, realizando suas primeiras missões de combate ao crime em Smallville. Já em Papagaio e Coruja, a narrativa se concentra em Clark em sua entrada à vida adulta, momento em que ele vê que a cidade no Kansas se tornou pequena demais para suas habilidades e anseios.

Neste período, o leitor segue as divertidas interações do protagonista com figuras populares como Lana Lang, Oliver Queen (antes dele assumir o uniforme de Arqueiro Verde), Exterminador e até mesmo o próprio Bruce Wayne em seu ainda arremedo de Batman. Um dos méritos do título é usar estes primórdios do Superman para mostrá-lo reagindo pela primeira vez a personagens do universo da DC, como um completo ignorante às dinâmicas que nos acostumamos.

Em Metrópolis, o protagonista utiliza traje improvisado em suas primeiras missões. (Foto: DC)

Posteriormente, entre Águia, Anjo e Valquíria, a coisa fica mais séria. Aqui, o alter ego de Superman não só se depara com adversários respeitáveis, como são Parasita e o caçador de recompensas Lobo, como também encara o desafio de encontrar sua identidade e mensagem como super-herói. Para isso, Clark Kent conquista a ajuda de ninguém menos que Lois Lane, com quem compete como jornalista iniciante no Planeta Diário e começa um relacionamento.

Lançada em álbum de luxo em capa dura pela Panini, no Brasil, em 2018, Superman: Alienígena Americano introduz o público a um personagem repleto de dramas sobre sua origem e dúvidas sobre seu lugar e propósito no mundo, mas que, como qualquer humano, tem seus momentos de diversão e decepções amorosas. E, por retratar Superman sem a capa de superioridade que passamos a vesti-lo, a DC consegue recolocar o herói nos braços dos fãs.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.