Pokémon: O Início oferece jornada sobre amizade e evolução

Para quem cresceu durante a década de 1990, a estreia do anime de Pokémon se tornou um verdadeiro fenômeno, impulsionando ainda mais a popularidade da saga de jogos, cuja primeira geração estava disponível para Game Boy. Vale lembrar que, aqui no Brasil, o desenho estreou primeiro na TV aberta, com exibição na programação matinal da Rede Record, ainda em 1999. Somente no início do ano 2000 que o programa chegou ao Cartoon Network.

Em suma, a série animada adapta os primeiros jogos desenvolvidos pela Game Freak, tendo o intrépido Ash Ketchum assumindo o lugar de Red – o protagonista dos games Pokémon Red, Blue e Yellow, além de seus remakes, FireRed e GreenLeaf. Junto de Pikachu, Misty e Brock, o garoto parte para desbravar o mundo dos poderosos monstrinhos de bolso – ansiando se tornar um grande mestre Pokémon – e encarar grandes aventuras ao lado de seus amigos.

Tudo começa quando Ash encontra o Professor Carvalho, o maior especialista em pokémon da região de Kanto, para iniciar sua jornada e recebe dele o indomável rato elétrico, com quem constrói uma relação de amizade e respeito. Além disso, é neste começo de viagem que se estabelece a rivalidade com Gary Carvalho, ninguém menos que o sobrinho do professor – que faz o papel de Blue, adversário de Red nos primeiros jogos de Pokémon.

Para os fãs mais atentos, é legal ver como conceitos de nível de pokémon, poções e pedras de evolução vistos nos jogos eletrônicos são utilizados na animação.

Rumo à Liga Índigo

Originalmente, Pokémon estreou na televisão japonesa em 1997, dedicando-se a mostrar as aventuras de Ash e Pikachu rumo à Liga Índigo. Para isso, o menino precisa vencer os oito líderes de ginásios, que ficam espalhados pela região de Kanto, para conquistar as insígnias que lhe garantem entrada no campeonato.

Ao longo de seus 83 capítulos – que exploram muitos dos 150 pokémon da primeira geração –, os mocinhos circulam por Pewter, Cerulean, Vermilion, Celadon, Fuschia, Saffron, Ilha Cinnabar e Veridian, as cidades nas quais disputam as insígnias de Rocha, Cascata, Arco-íris, Alma, Vulcão e Terra, respectivamente.

Com o desenrolar da trama, vamos conhecendo um pouco mais sobre as origens e anseios de Misty, natural de Veridian e expert em pokémon do tipo água, e Brock, ex-líder do ginásio de Pewter, que deseja se consolidar como um criador pokémon e fã do tipo pedra. E somos apresentados a Jesse, James e ao Meowth, trio de vilões da Equipe Rocket.

E é claro que os pokémon não poderiam ficar de fora: Ash tem como principais opções Pikachu, Pidgeotto, Butterfree, Charmander, Squirtle e Bulbassauro, além de Muk, Snorlax, Tauros, Primeape e Krabby na reversa. O fantasma Haunter também tem é membro honorário do time!

Aventuras na Liga Laranja

Depois de disputar o torneio de Kanto, Ash segue para o desafio das Ilhas Laranja, motivado por Professor Carvalho, que lhe pede que investigue a misteriosa pokébola GS. No cenário litorâneo, além de conhecer alguns dos pokémon da segunda geração agora junto de Misty e o pesquisador Tracy, o protagonista deseja testar as suas forças em uma nova competição. Entretanto, aqui não basta duelar, pois os líderes dos ginásios ilhas de Mikan, Navel, Trovita e Kumquat trazem desafios mais elaborados, como tiro ao alvo, corrida e trabalho em equipe.

O destaque nesta fase é o bebê Lapras, que auxilia Ash em sua batalha contra Drake, o líder supremo da Liga Laranja, e seu raríssimo Dragonite.

Comentários
Next Post

Bom Dia, Verônica é thriller chocante sobre feminicídio e corrupção

Lançada no primeiro dia de outubro na Netflix, a série Bom Dia, Verônica é a adaptação do livro homônimo escrito pelos brasileiros Ilana Casoy e Raphael Montes – sob o pseudônimo de Andrea Killmore – e publicado pela editora DarkSide em 2016. No streaming, a produção oferece uma experiência chocante com […]