Homem-Formiga

Se Guardiões da Galáxia foi uma jogada arriscada, o filme Homem-Formiga (Ant-Man, EUA, 2015) era dado como aposta pronta para fracassar. Talvez pela substituição do diretor Edgar Wright (Scott Pilgrim Contra o Mundo) por Peyton Reed (Sim Senhor) ou pela escolha de Paul Rudd (O Virgem de 40 Anos) para o papel principal, o mais novo blockbuster da Marvel chegou a levantar dúvidas. Entretanto, o que o público verá a partir de 16 de julho é uma obra bem-humorada, cativante e de trama inteligente, que excede as expectativas.

O longa traz o ex-presidiário Scott Lang (Rudd) procurando reaproximar-se de sua filhinha Cassie (Abby Ryder Fortson, de The Whispers) e, ao mesmo tempo, sendo recrutado pelo Dr. Hank Pym (Michael Douglas, de Um Dia de Fúria) para assumir o traje do Homem-Formiga (capaz de encolher o tamanho e expandir a força do usuário). Para o fundador da Pym Tech, Scott tem o perfil ideal para neutralizar as ameaças geradas por Darren Cross (Corey Stoll, de House of Cards), antigo pupilo do cientista e obcecado pela criação da letal armadura batizada de “Jaqueta Amarela”.

Ao propor uma aventura mais suja do que Vingadores Era de Ultron, Homem-Formiga percorre o submundo em que habitam criminosos menores e introduz personagens com evidentes desvios de caráter (algo que, no momento, faltava para o mundo Marvel). Além disso, o histórico problemático de Hank Pym (abordado nas HQs) é explorado, retratado como uma pessoa instável, abalado pela perda de Janet (a primeira Vespa), sua esposa, e em crise com a filha Hope van Dyne (Evangeline Lilly, a Kate, de Lost).

Numa cena entre créditos, veja o que aguarda por Hope (Lilly). (Foto: Zade Rosenthal)

Numa cena entre créditos, descubra o que aguarda por Hope (Lilly). (Foto: Zade Rosenthal)

Repleta de boas sacadas, a produção faz brincadeiras com as alterações de estatura proporcionadas pelas Partículas Pym, transformando os mais comuns cenários em locações extraordinárias (objetos como brinquedos também mudam de dimensões). Outro destaque é a criativa participação das formigas, pois cada espécie desempenha uma função no exército do herói, alcançando feitos grandiosos com suas habilidades. Além disso, vale a pena prestar atenção na trilha sonora de ótima qualidade.

Em mais um trabalho de casting acertado da Marvel, o trio de protagonistas formado por Michael Douglas, Evangeline Lilly e Paul Rudd se complementa com perfeição. Contando com profissionais experientes do gênero de comédia, Homem-Formiga ainda surpreende pelo entrosamento de Michael Peña (Marcados para Morrer), David Dastmalchian (Batman: O Cavaleiro das Trevas) e do rapper T.I., em atuações hilárias.

Na conclusão da chamada Fase 2, os estúdios comandados por Kevin Feige inserem a mitologia do Homem-Formiga ao Universo Cinematográfico Marvel, colocando-o em ação durante a criação da S.H.I.E.L.D., ou seja, muito antes da reunião dos Vingadores. Assim, Howard Stark (Mad Men) e Peggy Carter (Agent Carter) aparecem em flashback. Já Sam Wilson/Falcão (Anthony Mackie, de Deixa Rolar) surge em situações cômicas.

Tomando algumas liberdades poéticas (que funcionam sem atrapalhar a história), Homem-Formiga faz homenagem às origens do personagem em Tales to Astonish #27.

Descolado e autêntico, Homem-Formiga é o melhor filme de super-heróis de 2015.

Tendo Pym (Douglas) como mentor, Scott (Rudd) domina o traje do Homem-Formiga. (Foto: Zade Rosenthal)

Scott (Rudd) tenta dominar o traje do Homem-Formiga. (Foto: Zade Rosenthal)

Ansioso para ver Capitão América: Guerra Civil? Fique para a cena pós-créditos!

Homem-Formiga estreia na próxima quinta-feira (16/07).

Leia mais sobre Homem-Formiga.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.