Entrevista: Carol Roberto conta como foi dublar Nala em O Rei Leão

Aguardado por gerações de fãs, O Rei Leão está em cartaz nos cinemas em nova versão, que, na dublagem brasileira, traz toda a nostalgia da animação clássica lançada em 1994. Uma das vozes responsáveis pela magia no título da Walt Disney Studios é de Carol Roberto, dubladora da jovem Nala. Em entrevista exclusiva, a atriz fala sobre a experiência de participar da produção deste remake e gravar uma das músicas mais divertidas da história.

“Desde pequena eu assisto O Rei Leão, pois é um filme da época dos meus pais, avós, tios etc…. Então, desde pequena sempre assisti. Sei as falas de cor”, diz Carol Roberto. Além de atuar na chamada versão em “live-action”, a jovem, aos 13 anos, tem um carinho especial pelo primeiro desenho de Simba, Nala, Timão e Pumba. “O filme dos anos 90 é lindo e emocionante. A primeira vez que assisti ao filme, me apaixonei”, afirma ela, sobre a importância do longa.

Carol Roberto dá voz à versão jovem de Nala. (Foto: Divulgação)

A atriz fala sobre a chance de participar de O Rei Leão. “Tive a sensação de estar dentro do filme, porque a música é tão alegre, que saí do estúdio pulando. A música me deixa muito contente”, conta, sobre a experiência cantar “O Que Eu Quero Mais É Ser Rei”. Sobre suas semelhanças com Nala, ela responde: “me considero uma pessoa medrosa e a Nala é medrosa a ponto de querer voltar pra casa rápido. Também acho que sou uma pessoa bem espontânea, igual a ela”.

“A Nala é importante pra mim, pois, além de ser uma princesa da Disney, é a princesa de um dos meus filmes preferidos, e estar dando voz à personagem é muito gratificante”, conclui.

Além de atriz e dubladora, Carol Roberto é cantora e participou do The Voice Kids deste ano.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.