Enola Holmes entrega aventura teen sobre empoderamento e propósito

Um dos principais lançamentos recentes da Netflix, o filme Enola Holmes veio com elenco estelar encabelado por Millie Bobby Brown (Stranger Things), Henry Cavill (The Witcher) e Sam Claflin (Como Eu Era Antes de Você). Oferecendo uma aventura animada destinada para público adolescente, o título é inspirado pelo livro “Enola Holmes: O caso do marquês desaparecido”, escrito por Nancy Springer e publicado em 2006 pela Verus Editora.

Na direção de Harry Bradbeer (Fleabag), o longa apresenta a jovem Enola Holmes (Brown) que, aos seus 16 anos, se vê abandonada pela mãe, Eudoria (Helena Bonham Carter, de Harry Potter e a Ordem da Fênix). Quando decide procurar a matriarca, a menina esbarra na guarda dos irmãos, isto é, o autoritário Mycroft (Claflin) e o brilhante detetive Sherlock Holmes (Cavill), e precisa lutar para seguir seu caminho sem obedecer aos preceitos da sociedade de 1884.

Heroína empoderada

Em sua jornada para Londres, a protagonista assume as investigações do caso do marquês Tewkesbury (Louis Partridge, de Medici: Mestres de Florença), que foge de sua família para levar uma vida sem holofotes. O problema é que o assassino Linthorn (Burn Gorman, de Círculo de Fogo) está à caça do nobre rapaz e só Enola Holmes pode salvá-lo.

Enola se mostra até mais esperta que seus irmãos mais velhos. (Foto: Robert Viglaski/Legendary)

Sim, Enola é a heroína de sua própria narrativa – e, por vezes, dos outros também. Treinada para lutar e apurar pistas, a garota se tornou independente e, ao crescer com uma mãe feminista, não se vê intimidada a acatar as regras firmadas pelo patriarcado. Por isso, apesar do interesse romântico pelo marquês, Enola não é uma donzela em perigo.

Encontrando propósito

No decorrer de 2h03 de filme, a personagem constata que Eudoria não foi raptada, mas sim partiu por vontade própria. Deste modo, embora tente encontrar sua progenitora, Enola passa a curtir seu caminho, livre dos mandamentos de Mycroft e sombra do famoso Sherlock – embora badalado, Sherlock se mostra mais atencioso com Enola.

A mãe de Enola batalha pela reforma política na Inglaterra. (Foto: Alex Bailey/Legendary)

Tendo como palco caótica e ameaçadora cidade londrina, a adolescente encontra a sensação de pertencimento e momentos de diversão arriscando-se como investigadora particular mesmo sem estar fisicamente próxima da família. O respeito à individualidade se faz a mensagem principal do roteiro adaptado por Jack Thorne (His Dark Materials).

Versão descolada

Menos “quadrada” do que se espera do universo ligado a Sherlock Holmes, a produção possui ritmo rápido, agitado e constantemente quebra a quarta parede para dialogar com o público. Esse tom modernoso lembra bastante a versão dirigida por Guy Ritchie e estrelada por Robert Downey Jr., algo que pode causar estranheza aos mais conservadores.

Com diálogos não tão profundos, Enola Holmes entrega aventura, ação e investigação ideais para os mais jovens.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.