Divertida Mente merece, mas não deve ganhar sequência

Inovadora, inteligente e bem-humorada, esta é Divertida Mente (Inside Out, EUA, 2015), a mais nova produção da Disney e Pixar, lançada, no Brasil, no dia 18 de junho. Contudo, a aventura, recordista como maior abertura de um filme de conteúdo original, tendo arrecadado US$ 90,4 milhões em sua estreia, poderá não ter uma continuação. Afinal, segundo o diretor Pete Docter, “uma sequência não está nos planos”.

No decorrer da entrevista concedida à Entertainment Weekly, Docter mantém o suspense a respeito do destino da animação, ao brincar sobre “nunca dizer nunca”. Entretanto, o histórico do cineasta é revelador. Vencedor do Oscar por Up: Altas Aventuras e Monstros S.A., Pete não prolongou tais trabalhos, o que aconteceria com facilidade, pois ambos fizeram sucesso entre público e crítica. É verdade que Universidade Monstros chegou às telonas, mas sem o envolvimento de Docter.

No filme, o público pode acompanhar o que se passa na cabeça garotinha Riley. (Foto: Disney)

No filme, o público pode acompanhar o que se passa na mente da garotinha Riley. (Foto: Disney)

Embora pareça uma estratégia financeiramente desvantajosa, a iniciativa de evitar a continuação de um título pode valorizar a película, uma vez que é passada a mensagem de que o projeto está concluído. Além disso, a atitude previne a produção de sequências problemáticas, como ocorre frequentemente com diversas franquias consagradas.

Por se tratar de uma arte, a obra cinematográfica não carrega o dever de prosseguir, tendo já apresentado todos os seus conceitos e proporcionado divertimento e emoção. Deste modo, Disney e Pixar podem se concentrar no desenvolvimento de novos filmes.

Divertida Mente está em exibição.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.