Black Lightning: Raio Negro cai em cima do racismo, crime e violência policial

“A justiça, como um raio, deveria inspirar esperança a alguns homens e medo a outros”. Proclamando a tradicional frase de impacto de Raio Negro nas histórias em quadrinhos, a série Black Lightning teve seu primeiro episódio exibido pela emissora norte-americana The CW – no Brasil, a transmissão será feita pela Netflix a partir do próximo dia 23 de janeiro. Protagonizada pelo super-herói criado por Tony Isabella e Trevor Von Eeden, a atração aposta numa pegada “realista”, abordando desigualdade social, crime organizado e violência policial.

Dos showrunners Salim Akil e Mara Brock Akil (ambos de Sparkle: O Brilho de uma Estrela e The Game), Black Lightning acompanha a jornada de Jefferson Pierce (interpretado por Cress Williams, de Hart of Dixie), um pai – das jovens Anissa (Nafessa Williams, de Code Black) e Jennifer Pierce (China Anne McClain, de Descendentes 2) –, diretor da escola de Garfield High e, além disso, também um super-herói aposentado. Após 9 anos afastado de sua vida de vigilante, Jefferson nota que precisa voltar quando a Quadrilha dos 100 passa a aterrorizar a cidade de Freeland.

Além de emitir raios e absorver eletricidade, Pierce tem as habilidades de um atleta de decatlo. (Foto: The CW)

Diferente de outras adaptações da DC Comics – como Arrow, The Flash, Supergirl e DC’s Legends of Tomorrow –, o seriado não apresenta um aventureiro, cientista ou milionário, mas, sim, um personagem maduro e próximo a uma pessoa real, com deveres e responsabilidades para se preocupar. Deste modo, o programa solo do Raio Negro (tradução oficial em português) surpreende com seu protagonista tão “pé no chão”, que lida com a rebeldia das filhas adolescentes e almeja reatar com a ex-mulher, Lynn Pierce (Christine Adams, de Terra Nova).

Entretanto, apesar de o destino do mundo e do multiverso não estar em suas mãos, Pierce percebe que recai sobre seus ombros a missão de defender sua comunidade contra ameaças como as gangues, o tráfico e a prostituição. Aparentemente resignado, o herói do gueto sente o clamor por justiça retumbar novamente ao ver que o crime organizado por Tobias Whale (Marvin ‘Krondon’ Jones III, de A Lei de Harry) já não pode ser controlado pelas forças policiais do Inspetor Henderson (Damon Gupton, de Mentes Criminosas) – um antigo conhecido.

Heroísmo vem de berço: Anissa Pierce também manifesta o poder para fazer justiça. (Foto: The CW)

Fiel aos gibis publicados inicialmente em 1977, o novo título da DCTV mantém Jefferson Pierce como o símbolo de uma comunidade, que retorna como o filho pródigo depois de se tornar medalhista olímpico de decatlo, e introduz o alfaiate (e ajudante) Peter Gambi (James Remar, de Gotham) – com visual semelhante ao das HQs. A exemplo de Luke Cage e Pantera Negra, o episódio intitulado The Resurrection traz na bagagem referências aos ativistas Martin Luther King Jr., Harriet Tubman e Fannie Lou Hamer e aos cantores Childish Gambino e SZA – personalidades da cultura negra.

Primeiras impressões: se o raio continuar caindo no mesmo lugar, Black Lightning será uma ótima série para seguir!

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.