The Gifted: Preconceito, incerteza e a luta pela vida num mundo sem heróis

Inserida ao universo dos X-Men, a série The Gifted (saiba mais) é parte da iniciativa da Marvel e dos canais da FOX para transportar uma de suas mitologias mais populares para a televisão – assim como ocorre com Legion. Fiel à essência das histórias em quadrinhos estreladas pelo Professor X, Wolverine etc., a atração teve sua primeira temporada concluída com 13 episódios, nos quais foram debatidos temas como o preconceito, a luta pela sobrevivência de uma população segregada e os limites entre o bem e o mal. E tudo isso envelopado por um grande familiar.

O que você faria para sobreviver? A quem se aliaria? Essa é a dúvida da família Strucker. (Foto: Ryan Green/FOX)

Criado por Matt Nix (Burn Notice) e com produção executiva de Bryan Singer (X-Men: O FilmeX-Men 2X-Men: Dias de um Futuro Esquecido e X-Men: Apocalipse), o seriado retrata a saga da família de Reed (Stephen Moyer, de True Blood) e Kate Strucker (Amy Acker, de Person of Interest), que descobrem que seus filhos, Lauren (Natalie Alyn Lind, de Gotham) e Andy (Percy Hynes White, de Uma Noite no Museu 3: O Segredo da Tumba), são portadores do Gene X – isto é, manifestam superpoderes, como manipulação do ar e telecinese.

Filha de Magneto, Polaris é o coração da Resistência Mutante. (Foto: Ryan Green/FOX)

Caçados por um governo opressor que rotula como “terrorista” qualquer indivíduo com habilidades Homo Superior, os Strucker são obrigados a largar suas vidas – Reed é promotor de justiça, Kate é enfermeira e os garotos são estudantes – para fugir do Serviço Sentinela (agência federal encarregada de prender mutantes). Com a Força-Tarefa Antimutante, do agente Jace Turner (Coby Bell, de The Game), em seu encalço, resta à família abraçar a causa da minoria perseguida e se aliar a uma rede clandestina.

Turner perdeu a filha num incidente com mutantes, tragédia que lhe motiva a caçá-los. (Foto: Ryan Green/FOX)

Surgem aí Polaris (Emma Dumont, de Vício Inerente), Eclipse (Sean Teale, de Incorporated), Thunderbird (Blair Redford, de Burlesque) e Blink (Jamie Chung, de Gotham), os principais rostos da Resistência Mutante – um grupo incumbido pelos próprios X-Men de proteger os mutantes. Reforçada pelos Strucker, a equipe que luta contra a extinção parece estar levando vantagem até descobrir que muitos dos mutantes estão sendo utilizados como cobaias e/ou armas vivas – são os chamados Hounds, que sofrem lavagem cerebral para agir contra sua espécie – pelas Indústrias Trask.

Quando combinam seus poderes, Lauren e Andy formam a força destrutiva chamada Fenris. (Foto: Ryan Green/FOX)

Em meio a tudo isso, os protagonistas Andy e Lauren precisam descobrir os limites para o que é certo e o que é errado na batalha pela sua própria sobrevivência, pois seus poderes altamente destrutivos não só são de enorme ajuda para a Resistência Mutante como também chamam a atenção do Clube do Inferno. Principal mérito da série, que não conta com grandes atuações do elenco e tem efeitos especiais medianos, destaca-se a ausência dos conceitos de “herói” e “vilão”, uma vez que os todos personagens são retratados como pessoas fazendo escolhas para viver.

Renovada para a 2ª temporada e com uma aparição de Stan Lee, The Gifted é exibida pelo Canal FOX no Brasil.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.