The Walking Dead volta a suas origens na sexta temporada

De aspecto amador e episódios longos e lentos no início, The Walking Dead logo passou a adotar dinâmica ágil e capítulos curtos, talvez por conta da rápida adesão à cultura pop. No entanto, na estreia de sua sexta temporada, que ocorreu ontem (11/10), a série demonstrou vontade de recuperar seu modelo original e, assim, retornar às suas raízes.

Em “First Time Again”, o foco é narrar os eventos depois da morte de Pete (Corey Brill, de Perception) e a chegada de Morgan (Lennie James, de Snatch: Porcos e Diamantes), apesar de haver boas doses de ação devido à circunstância em que Rick (Andrew Lincoln, de Simplesmente Amor) e os outros se encontram. Através de flashbacks em preto e branco – recurso que devolve o tom alternativo ao programa, o público acompanha os acontecimentos passados e, alternadamente, segue as aventuras atuais.

Abandonando os 40 minutos de exibição (como é “padrão” em seriados), o mais recente episódio de The Walking Dead foi televisionado com algo em torno de 1 hora e 5 minutos de duração, sem qualquer intervalo. Outra novidade em relação à temporada anterior é a pouca ambição de causar sustos, porém, sequências de tensão ocorrem com naturalidade.

Heath (Hawkins) deverá ser útil para a comunidade. (Foto: Gene Page/AMC)

Heath (Hawkins) deverá ser útil para a comunidade de Alexandria. (Foto: Gene Page/AMC)

Assim, cadenciado e de diálogos pausados, The Walking Dead volta a se parecer com o programa que virou um fenômeno mundial. Por outro lado, sem monotonia, o show introduz personagens novos, como o jovem Heath (Corey Hawkins, de Sem Escalas), e uma trama de grandes proporções para os sobreviventes do apocalipse zumbi resolverem.

Leia mais sobre The Walking Dead.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.