O Escolhido: série enigmática da Netflix aposta em suspense e folclore

Dengue, Zika e a Chikungunya são um velho problema que ameaça a saúde no Brasil. Agora, imagine que uma variação destes vírus coloca em risco uma população isolada no Pantanal. Sim, levar a cura essa região tão restrita do país pode ser um desafio, mas… e se chegando lá, você descobrisse que seus habitantes renegam a medicina acreditando em um líder religioso? Esta é a sinopse de O Escolhido, série da Netflix que aposta no suspense sobrenatural, com os traços da realidade de muitos brasileiros e de nosso sistema público de saúde.

Adaptação da mexicana “Ninõ Santo”, a atração tem a direção de Michel Tikhomiroff (O Negócio) e roteiro coescrito por Raphael Draccon (Supermax) e Carolina Munhóz e apresenta a jornada de três médicos, que são: Lúcia Santeiro (Paloma Bernardi, de Insensato Coração), Damião Almeida (Pedro Caetano, de O Diabo Mora Aqui) e Enzo Vergani (Gutto Szuster, de (Des)encontros). Juntos, os protagonistas são enviados ao vilarejo de Aguazul, no intuito de levar a vacina aos seus habitantes, mas eles nem imaginam os mistérios que irão encontrar por lá.

Os protagonistas descobrem uma realidade escondida no coração do Brasil. (Foto: Emiliano Capozoli/Netflix)

Principal cenário da trama, a pequena Aguazul vive para servir ao chamado “O Escolhido” – personagem interpretado por Renan Tenca (Mãe Só Há Uma) –, considerado como filho de Deus na Terra e dono de inexplicáveis poderes de cura. A cidadezinha conta com estrutura social toda própria, no qual cada indivíduo tem uma função específica para atender ao Escolhido, como acontece com o capataz Mateus (Mariano Mattos Martins, de Na Selva das Cidades) e a sacerdotisa Angelina (Alli Willow, de Bacurau). Todos eles têm seus dramas e conflitos.

Com inspiração em Lost, o seriado constantemente lança dúvidas sobre o que seus personagens estão testemunhando, se são milagres, ciência aplicada ou simplesmente encenação do líder sobre uma comunidade com pouca instrução. Fato é que Lúcia Santeiro, Damião Almeida e Enzo Vergani – cujas histórias de origem são completamente diferentes – têm seus limites e sua fé colocados em xeque. Outra frente trabalhada em O Escolhido é o folclore regional, uma vez que a lenda do Minhocuçu tem citações frequentes na trama.

Líder de um culto sinistro, o Escolhido vive sob uma estranha profecia. (Foto: Emiliano Capozoli/Netflix)

Tecnicamente, a produção nacional exibe qualidade ao nível dos demais títulos internacionais disponíveis no streaming, com cenários, figurinos e maquiagens e jogo de luzes que fazem toda a diferença na construção de um clima suspense e terror. Lançado em junho, o programa tem sua primeira temporada composta por 6 episódios de cerca de 40 minutos de duração.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.