Marvel vai trazer Heróis Renascem de volta este ano

Carlos Bazela

Na semana semana, por meio de seu perfil no Twitter, a Marvel intrigou seus fãs com o anúncio de uma novidade para seus quadrinhos neste ano: Heroes Reborn.

Embora o nome relembre imediatamente à saga publicada no meio da década de 1990, que aqui recebeu o título de Heróis Renascem, a Casa das Ideias divulgou uma sinopse mostrando que a premissa do novo arco, escrito por Jason Aaron e com arte de Ed McGuiness, é um pouco diferente da original. 

“Bem-vindo a um mundo onde Tony Stark nunca construiu uma armadura do Homem de Ferro. Onde Thor é um ateu beberrão que despreza martelos. Onde Wakanda é tida como um mito. E onde o Capitão América nunca foi encontrado no gelo, porque não havia os Vingadores para encontrá-lo. Em vez disso, este mundo sempre foi protegido pelos Heróis Mais Poderosos da Terra: o Esquadrão Supremo da América. E agora, o Esquadrão enfrenta um ataque de alguns de seus inimigos mais ferozes, como Dr. Fanático, o Caveira Negra, Feiticeira Prateada e Thanos, com seus Anéis do Infinito. Blade é o único homem vivo que parece se lembrar de que o mundo inteiro de alguma forma … renasceu. E assim começa sua busca pela causa por trás da mudança sinistra na realidade.”

Entretanto, há outra similaridade entre a saga noventista e a nova, além de um universo Marvel sem os Vingadores. Se antes o Massacre era o responsável pelo início de Heróis Renascem, agora teremos a Fênix, como as palavras do editor executivo, Tom Brevoort, deixaram claro no comunicado no site da Marvel. “É natural que depois que a Fênix queime o mundo até as cinzas, haja um renascimento. Então, Reborn é o próximo grande passo na história massiva que Jason e Ed têm criado para os Vingadores. A nova saga chega às comic shops norte-americanas em maio, então ainda teremos que esperar um pouco para saber o quanto esse novo arco vai ser parecido com o anterior além do nome.

Mas, o que foi a Heroes Reborn dos anos 1990?

Ela começou bem…

Publicada aqui pela Abril Jovem de 1998 a 1999, a saga Heróis Renascem era um novo ponto de partida para os Vingadores e o Quarteto Fantástico, que haviam sido mortos na saga anterior, enfrentando o vilão Massacre. Ao todo, foram quatro títulos com 12 edições cada um: Quarteto Fantástico, Homem de Ferro, Capitão América e Vingadores, que se passavam nesse novo universo Marvel, sem interligação com o regular. Sem X-Men e Homem-Aranha, que ainda se desdobravam para preencher a lacuna dos companheiros mortos em combate.

As histórias também traziam visual repaginado aos personagens, incluindo novas origens e recontavam algumas tramas clássicas. O Quarteto, por exemplo, aprendia a lidar com poderes recém-adquiridos enquanto enfrentava vilões como Dr. Destino, já as aventuras dos Vingadores começavam com eles descongelando o Capitão América.

Tony Stark, por sua vez, sofria um acidente fruto de sua arrogância que o faria estar permanente preso à parte peitoral do Homem de Ferro ao mesmo tempo que condenaria seu amigo Bruce Banner a viver como um monstro de radiação gama. O que obrigaria o empresário a rever os rumos de sua vida e tentar diminuir os males que causou a um monte de gente. Com esse olhar contemporâneo para alguns dos maiores heróis da Casa das Ideias, Heróis Renascem terminou com um crossover entre todos os personagens unindo forças para deter a ameaça de Galactus, que veio para devorar o planeta.

Por mais que algumas edições trouxessem a arte controversa de Rob Liefeld, muitos grandes nomes dos quadrinhos estavam envolvidos na saga, como Jeph Loeb, Jim Lee, Scott Williams, Whilce Portacio e Brandon Choi. Outro ponto que deu destaque para a saga foi que os quatro títulos poderiam ser lidos de forma independente e, com exceção dos crossovers nas edições 6 e 12, cada herói ou grupo poderia ser acompanhado sozinho sem perder pontos importantes para a história, o que foi um ótimo atrativo para novos leitores.

…aí começou a dar errado

O inexplicável peitoral do Capitão América é um dos traumas deixados pelo primeiro Heróis Renascem

Se Heróis Renascem por si só é uma boa saga, responsável por repaginar grandes heróis e vilões em um novo contexto, a editora praticamente colocou tudo a perder em Heróis Renascem – O Retorno. A minissérie, publicada pela Abril Jovem no fim de 1999, mostrava o universo no qual os heróis renascidos viviam como uma criação de Franklin Richards, filho de Sue Storm e Reed Richards.  

Ainda que tivesse roteiro de Peter David e arte de Salvador Larroca, a mini que trouxe os heróis de volta ao universo regular da Marvel não foi unanimidade de aceitação pelo público. Afinal, todo um passado de boas histórias com novos conceitos para heróis conhecidos estava resumida a uma realidade no formato de uma bola azul e com a decisão de destruir esta realidade ou a regular da Marvel sobre os ombros de uma criança. A narrativa termina de maneira previsível, com Franklin trazendo os heróis renascidos para sua dimensão e estes relembram de suas vidas pregressas quase instantaneamente. Final um tanto simplista para reintegrar os heróis à mesma continuidade dos demais personagens da Casa. 

Next Post

Judas e o Messias Negro tem segundo trailer revelado

Estrelado por Daniel Kaluuya (Corra!) e Lakeith Stanfield (Atlanta), Judas e o Messias Negro tem estreia prevista para 25 de fevereiro nos cinemas brasileiros, conforme comunicado da Warner Bros. Pictures. Retratando o drama biográfico do jovem ativista Fred Hampton, integrante dos Panteras Negras, morto em 1969 com apenas 21 anos, o longa teve […]
Judas e o Messias Negro tem segundo trailer revelado