Astra – Lost in Space: mangá diverte com leveza e clichês

A turma do ensino médio Colégio Caird vai passar cinco dias em um acampamento no planeta MCPA. Lá, eles não terão – a princípio – nenhuma supervisão dos adultos e deverão cooperar para sobreviver a nove anos-luz da Terra. Ou quatro horas de distância para as espaçonaves do ano de 2063. É assim que começa o primeiro volume de Astra – Lost in Space, mangá de Kenta Shinohara, publicado aqui pela Devir. Segundo a editora, a série terá cinco volumes ao todo.

Como o título diz, é óbvio que algo dá errado no passeio que, por mais estranho que pareça, é comum na época deles, e o grupo de nove estudantes acaba realmente perdido no espaço numa nave que não é a sua. E isso acontece da maneira mais original possível, com uma inexplicável esfera de luz engolindo os estudantes e jogando o grupo próximo de uma nave espacial abandonada.

O time é composto pela atrapalhada Aries, o descolado Luka, o gênio Zack, a temperamental Quitterie e sua irmã de 10 anos, Funícia. Temos também a calada Yunhua, o galã Charce, o misterioso Ulgar e o líder autoproclamado Kanata. E aí já se iniciam os clichês, afinal, fica perceptível desde as primeiras páginas qual será o papel de cada um e estabelecidos os “vilões” da trama. Pelo menos, a princípio.

Nesse primeiro número, fica evidente que eles precisarão ir para certos planetas em busca de mantimentos, como água e comida, se quiserem chegar vivos à Terra. Afinal, conforme os cálculos de Zack, estão a mais de cinco mil anos luz daqui. O que, usando a tecnologia da nave, pode significar três meses de distância ou mais do nosso planeta.

Prós e contras de dois gêneros

Essa mistura de filmes de acampamento da Sessão da Tarde com Perdidos no Espaço acaba trazendo o melhor e o pior dos dois mundos para Astra. A seu favor, o mangá desenvolve boas relações entre os personagens, pois a maioria dos clichês do gênero parece reservada apenas ao primeiro volume, com algumas paredes emocionais ruindo logo e abrindo espaço para outras narrativas em relação à interação do grupo.

O mangá pega leve demais no suspense. E, ainda que haja certa dose de mistérios, a edição inicial não traz momentos de alta tensão. Principalmente se compararmos com histórias similares em outras mídias, como o remake da série sessentista ou mesmo a animação Acampamento Jurássico, ambos da Netflix.

Mas, não dá para dizer que os clichês estragam a experiência e que os pontos negativos superam os positivos de Astra – Lost in The Space. A própria esfera misteriosa, responsável pelo teleporte dos jovens, volta a aparecer mais adiante, se mostrando um desafio recorrente do enredo e deixando todos curiosos sobre sua origem e intenções.

Os planetas que eles precisam explorar são outro ponto interessante pelos perigos da sua fauna e flora exóticos. O que pode atrair fãs de jogos como Mass Effect Andromeda, No Man’s Sky e os já iniciados em obras japonesas de temática escolar. No final, o mangá é entretenimento leve, com média carga dramática e que pode divertir em uma leitura mais despretensiosa, além de ter bons ganchos para plot twists. Resta saber se serão bem aproveitados ao longo da trama.

Comentários
Carlos Bazela

Carlos Bazela

Jornalista e leitor compulsivo, gosta de cerveja, café e chá preto não necessariamente nessa ordem. Fã de boas histórias, principalmente daquelas contadas por meio de desenhos e balões.

Comentários estão fechados.