2ª temporada: The Flash é a série que melhor representa a DC Comics

Com uma temporada extremamente rica em referências às HQs e a franquias do mundo nerd, histórias mais sombrias (embora seu clima descontraído tenha sido mantido quando possível), a introdução de novos personagens e a completa expansão de seu universo, The Flash já pode ser considerada a série (ou produção em live-action?!) que melhor representa a DC Comics. Afinal, em seu segundo ano de exibição, o programa demonstra qualidade acima da média, tramas elaboradas e bem construídas (até mesmo as secundárias) e a capacidade de envolver o telespectador como outras poucas atrações do gênero conseguem – inclusive nos cinemas.

the-flash-segunda-temporada-review (9)

A cena de Flash of Two Worlds foi uma homenagem à capa da HQ The Flash #123, de 1961. (Foto: The CW)

Composta por 23 episódios, a segunda temporada repercute os efeitos da abertura da fenda espacial e a derrota do Flash Reverso/Eobard Thawne (Matt Letscher, de 13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi), algo que lhe possibilita a iniciação do conceito de múltiplas Terras. Além disso, a batalha citada acima tem impacto direto no desenvolvimento dos protagonistas, pois, enquanto The Flash/Barry Allen (Grant Gustin, de Glee) se culpa por tudo o que aconteceu, Caitlin Snow (Danielle Panabaker, de Justified) e Iris West (Candice Patton, de The Game) sofrem pelos sacrifícios de Ronnie Raymond (Robbie Amell, de The Tomorrow People) e Eddie Thawne (Rick Cosnett, de Quantico).

the-flash-segunda-temporada-review (12)

Nesta temporada, Iris West destaca-se como repórter investigativa do Central City Picture News. (Foto: The CW)

No entanto, apesar disso, The Flash é eleito oficialmente o super-herói de Central City, mesmo período em ele que descobre a existência de diversos bandidos meta-humanos, que são réplicas exatas de pessoas conhecidas por não terem habilidades especiais. Posteriormente chamados de “doppelgängers” (ou “sósias”, em tradução livre), estes seres aparecem pela 2ª temporada inteira e estão relacionados à chegada do novo antagonista: o (também) velocista Zoom. Vindo da Terra-2 – uma espécie de dimensão paralela, acessada através das 52 brechas deixadas pela fenda espacial –, este vilão pretende ser o mais rápido e, para isso, deseja roubar a velocidade de Flash.

the-flash-segunda-temporada-review (1)

The Flash e Zoom resolvem suas diferenças numa corrida em The Race of His Life. (Foto: The CW)

Enquanto começa a abordar a Terra-2, o seriado apresenta para o público Jay Garrick (Teddy Sears, de Masters of Sex), o Flash da outra Terra, e a dedicada policial Patty Spivot (Shantel VanSanten, de Premonição 4), com quem Barry Allen inicia uma relação amorosa. Aproveitando as possibilidades oferecidas pelo roteiro, The Flash tem como novidades a recuperação da figura de Harrison Wells (Tom Cavanagh, de The Following) – versão Terra-2 –, a notícia de que Joe West (Jesse L. Martin, de Smash) tem um filho e a manifestação de poderes meta-humanos em Cisco Ramon (Carlos Valdes) – que, ocasionalmente, passa a usar o codinome “Vibro”.

the-flash-segunda-temporada-review (13)

Harrison Wells, da Terra-2, surge como aliado do Flash. No entanto, ele esconde segredos. (Foto: The CW)

Embora o confronto decisivo entre The Flash e Zoom esteja reservado para o final, há alguns encontros dos velocistas, com destaque para os eventos chocantes do episódio Enter Zoom. Contudo, ao longo da temporada, o programa conta com vários vilões de peso, como Grodd, que aparece em Gorilla Warfare, e Tubarão-Rei, cuja estreia simbólica ocorre em The Fury of Firestorm, porém, o verdadeiro ápice ocorre apenas em King Shark, com a participação de John Diggle (David Ramsey, de Arrow). Outro ponto importante está em Trajectory, capítulo no qual The Flash enfrenta Trajetória/Eliza Harmon (Allison Paige, de Days of Our Lives) e é feito um debate sobre o uso de drogas para aumento de desempenho e o vício que tais substâncias podem causar.

the-flash-segunda-temporada-review (3)

Visto nos quadrinhos do Esquadrão Suicida, o Tubarão-Rei surpreendeu ao aparecer em The Flash. (Foto: The CW)

Como uma pausa na história de Zoom e a Terra-2, o tradicional crossover de The Flash e Arrow, em Legends of Today, fez a introdução da saga de DC’s Legends of Tomorrow, com a apresentação prévia da Mulher-Gavião/Kendra Saunders (Ciara Renée, de Lei e Ordem: Unidade de Vítimas Especiais) e o primeiro combate com Vandal Savage (Casper Crump, de A Lenda de Tarzan). Com isso, a dupla de criminosos Capitão Frio/Leonard Snart e Onda Térmica/Mick Rory (Wentworth Miller e Dominic Purcell, ambos de Prison Break) deixou a série para se juntar ao inédito time de heróis.

the-flash-segunda-temporada-review (2)

Interessado pela Mulher-Gavião, Cisco não curtiu a chegada do Gavião Negro (Falk Hentschel). (Foto: The CW)

Demonstrando ambição, a segunda temporada de The Flash não se contentou em só trazer os sósias superpoderosos, tanto que, no seu auge geral, em Welcome to Earth-2 e Escape from Earth-2 (capítulos que dariam um ótimo filme!), imerge numa viagem para a realidade alternativa em que Cisco e Caitlin são os vilões Reverb e Nevasca. Nesta aventura, além dos contrastes entre os mundos, há a libertação de Jesse Quick (Violett Beane, de The Leftovers) – filha de Wells –, a aparição de um mascarado misterioso no covil de Zoom e o emocionante diálogo de Barry com sua mãe.

the-flash-segunda-temporada-review (17)

Na Terra-2, Laurel (Katie Cassidy) é a vilã Black Siren, Cisco é Reverb e Caitlin Snow é Nevasca. (Foto: The CW)

Excepcional do início até a season finale, The Flash exibe uma trama consistente e inegavelmente cativante, personagens carismáticos e efeitos especiais de alto nível. E qual o resultado? O episódio The Runaway Dinosaur – tremenda obra de arte –, cuja direção foi do diretor e roteirista de gibis Kevin Smith (dos filmes Barrados no Shopping  e O Balconista e das HQs Demolidor: Diabo da Guarda e Arqueiro Verde: O Espírito da Flecha), em que é narrado o encontro de Barry Allen com a Força de Aceleração.

the-flash-segunda-temporada-review (18)

Em The Runaway Dinosaur, Barry conversa com a Força de Aceleração, que assume a forma de pessoas importantes na vida do rapaz, inclusive de sua mãe, Nora Allen. (Foto: The CW)

Em uma temporada rica em diversos aspectos, The Flash conquista os nerds com citações dos clássicos Harry Potter, Star Wars e Tubarão e conclui com uma belíssima homenagem ao ator John Wesley Shipp, o Flash da década de 1990 e intérprete do pai de Barry Allen.

the-flash-segunda-temporada-review

John Wesley Shipp recebe o honroso papel de Jay Garrick, o Flash da Terra-3. (Foto: The CW)

Pensando no futuro, a atração deverá transformar Jesse Quick e Wally West (Keiynan Lonsdale, de Horas Decisivas) em velocistas e fazer uma adaptação do arco Ponto de Ignição, o que poderia ser um atrativo extra para a produção e uma maneira de consertar os erros de Arrow e incluir Supergirl (leia aqui o review completo da 1ª temporada) a seu universo, pois, a série terá sua próxima temporada transmitida pelo The CW, canal de The Flash, Arrow e Legends of Tomorrow.

jesse-quick-wally-west-the-flash-segunda-temporada

Wally e Jesse também foram expostos à matéria negra que deu poderes a Barry Allen

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.