2ª temporada: Agent Carter se despede com trama de conspiração e ficção

Depois de uma bem-sucedida primeira temporada, o seriado de Agent Carter ganhou uma segunda temporada em 2016 sob os cuidados do canal norte-americano ABC (da Disney). Estrelada por Hayley Atwell (Capitão América: O Primeiro Vingador), a atração coloca Peggy Carter diante de uma nova trama de conspiração e ficção científica, na qual a agente precisa encarar alguns dos homens mais influentes da Terra e uma força de fora deste planeta.

Com 10 episódios (dois a mais em relação ao ano anterior), o programa tira sua protagonista da cidade de Nova York e a leva a Los Angeles, na Califórnia, para investigar uma série de assassinatos bizarros, em 1947, junto do delegado Daniel Sousa (Enver Gjokaj, de Dollhouse). O centro das investigações é a Isodyne Energy, que realiza estudos sobre a “Matéria Zero”, uma fonte de energia inesgotável resultada de experimentos sobre a bomba atômica.

Hayley Atwell em cena da segunda temporada de Agent Carter

Peggy Carter encara novos vilões e um novo interesse amoroso. (Foto: ABC)

O cientista Jason Wilkes (Reggie Austin, de On My Block), funcionário da Isodyne, e a atriz Whitney Frost (Wynn Everett, de The Newsroom) se tornam peças importantes da trama. Wilkes ajuda a Reserva Científica Estratégica (RCE) quando suspeita da ligação da empresa com as recentes mortes e se vê infectado pela Matéria Zero, à medida que Frost, outra contaminada pela misteriosa substância, descobre formas de utilizar seus poderes para ganhos próprios.

Mesmo recebendo o reforço do mordomo Edwin Jarvis (James D’Arcy, de Dunkirk), as investigações de Carter e Sousa acabam esbarrando no Clube Arena, o qual integram os empresários e políticos mais poderosos dos EUA – como Hugh Jones (Ray Wise, de Twin Peaks) e o candidato a senador Calvin Chadwick (Currie Graham, de Assalto ao 13º Distrito) – marido de Whitney. Pela influência sobre a imprensa e força policial, o Arena vira alvo e instrumento de Frost.

Wynn Everett é Whitney Frost em Agent Carter

Apesar da vida pública como estrela do cinema, Frost esconde ser uma gênia da ciência. (Foto: ABC)

Numa temporada que aborda o machismo e racismo, Agent Carter investe em dramas pessoais, com Carter decidindo sobre se envolver com Sousa e Wylkes, Jarvis em sua saga para proteger a esposa, Ana (Lotte Verbeek, de Os Bórgias), do perigo e Jack Thompson (Chad Michael Murray, de Lances da Vida) tentado entre manter a moral e o sucesso rápido oferecido pelo corrupto Vernon Masters (Kurtwood Smith, de That ’70s Show), do Departamento de Guerra.

Fechando o ciclo de Peggy Carter na TV, o seriado entrega alto nível de qualidade, com diálogos divertidos e cenários e figurinos de época caprichados, além das boas participações de Howard Stark (Dominic Cooper) e da espiã russa Dottie Underwood (Bridget Regan). Por fim, o título deixou ramificações da Matéria Negra exploradas em Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. e Cloak and Dagger, assim como forte discurso contra comportamentos misóginos.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.