“Sem Fronteiras” é a melhor homenagem que Star Trek poderia receber

Lançado nos cinemas no ano em que a cultuada franquia Jornada nas Estrelas completa exatos 50 anos, a superprodução Star Trek: Sem Fronteiras (Star Trek Beyond, EUA, 2016) chega com a missão de celebrar a saga criada por Gene Roddenberry e fazer jus ao seu rico histórico. E é exatamente o que faz o longa que entra em cartaz no Brasil nesta quinta-feira (01/09). Estreando na direção da série, Justin Lin (Velozes e Furiosos) demonstra elegância para conduzir a nova aventura de Capitão James T. Kirk (Chris Pine, de Horas Decisivas), Spock (Zachary Quinto, de Heroes), Dr. “Magro” McCoy (Karl Urban, de Dredd) e companhia.

Com colaboração de Simon Pegg (intérprete do personagem Montgomery Scott), o roteiro de Star Trek: Sem Fronteiras coloca os tripulantes da USS Enterprise diante da ameaça de Krall (Idris Elba, de Beasts of No Nation), um inimigo misterioso que coloca à prova tudo o que a Federação representa. Na trama, o antagonista pretende conseguir um artefato com grande poder destrutivo (chamado Abronath) para atacar a estação batizada de Yorktown, porém, o item está em posse de Kirk e, para obtê-lo, Krall atrai o Capitão e seus comandados para uma emboscada.

Left to right: Chris Pine plays Kirk and Idris Elba plays Crowl in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment

Mantendo a tradição dos últimos filmes de Star Trek, Idris Elba presenta um vilão cruel e com história bem embasada. (Foto: Paramount Pictures)

Separados em um planeta desconhecido, Kirk e Chekov (Anton Yelchin, de O Exterminador do Futuro – A Salvação), Uhura (Zoe Saldana, de Guardiões da Galáxia) e Sulu (John Cho, de Madrugada Muito Louca), Spock e “Magro” McCoy, e Montgomery Scott seguem histórias distintas, mas que têm se conectam no decorrer do filme. Além disso, há a introdução de Jaylah (Sofia Boutella, de Kingsman: Serviço Secreto), figura cheia de personalidade que surge como uma grata surpresa e ajuda Scotty, Kirk e Chekov no combate ao vilão.

Contando com o entrosamento dos protagonistas – todos em atuações impecáveis – Star Trek: Sem Fronteiras se aprofunda no desenvolvimento de cada personagem e suas inter-relações com os demais habitantes da Enterprise. Outro ponto marcante deste novo Jornada nas Estrelas é a demonstração de muita classe, seja na exibição de humor inteligente e, especialmente, no encaixe da faixa Sabotage, dos Beastie Boys, numa cena caótica de combate de naves que só pode ser descrita como “épica”.

Left to right: Simon Pegg plays Scotty, Sofia Boutella plays Jaylah and Chris Pine plays Kirk in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment

Como Jaylah, Sofia Boutella se destaca numa promissora participação em Star Trek. (Foto: Paramount Pictures)

Em homenagens ao passado da franquia, o longa faz referências e homenagens ao time do clássico seriado de TV, prestando solenidades a Leonard Nimoy (o Spock original) e ao jovem talento Anton Yelchin, falecido em junho de 2016.

Left to right: Zoe Saldana plays Uhura and John Cho plays Sulu in Star Trek Beyond from Paramount Pictures, Skydance, Bad Robot, Sneaky Shark and Perfect Storm Entertainment

Sem fronteiras nem preconceitos, o longa insere Sulu em um relacionamento homoafetivo. (Foto: Paramount Pictures)

Com a trilha Sledgehammer, da Rihanna, o título é um dos melhores blockbusters do ano (senão o melhor!).

Star Trek: Sem Fronteiras estreia nesta quinta-feira (01/09) nos cinemas brasileiros.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado) em 2013 e fundador do Boletim Nerd. Realizou a cobertura da CCXP, Brasil Game Show e Campus Party e do lançamento de Logan, Mulher-Maravilha e Homem-Aranha: De Volta ao Lar.

Comentários estão fechados