Manto e Adaga: Casal adolescente equilibra luz e sombras em série da Marvel

Levando os personagens criados por Bill Mantlo e Ed Hannigan ao live-action pela primeira vez, Cloak and Dagger é a mais nova aposta da Marvel na televisão. Exibida pelo canal Freeform na programação norte-americana, a produção conta histórias de dois jovens fugitivos, que, juntos, lutam para encontrar a luz e evitar as sombras em suas vidas – marcadas por tragédias. Opção para público jovem, a atração fala sobre amor, bem e mal e aceitação nos dias de hoje, atualizando os problemas enfrentados pelo casal desde sua estreia nos quadrinhos em 1982.

Criada por Joe Pokaski (produtor de Heroes), Marvel’s Cloak and Dagger acompanha as jornadas de Tandy Bowen (Olivia Holt, de Não Fui Eu) e Tyrone Johnson (Aubrey Joseph, de Noite Sem Fim) – a garota, de uma vida abastada, contudo, sem a atenção dos pais, e o rapaz, de raízes humildes, que carrega o trauma de ter perdido o irmão numa ação de violência policial. Apesar das origens opostas, Tandy e Tyrone veem o destino conspirar pela sua união após um estranho acidente na infância dos dois, no qual recebem poderes que se entrelaçam.

Tyrone e Tandy sempre se encontram quando mais precisam um do outro. (Foto: Marvel Entertainment)

Após a exibição de três episódios – intitulados First Light, Suicide Sprints e Stained Glass –, é possível notar que a série demonstra dificuldades para construir uma história de longo prazo, focando nas raízes dos protagonistas – que tentam desvendar o surgimento de seus poderes e respectivas identidades. Deste modo, o que se vê é ‘Ty’ Johnson encarando seu lado mais sombrio em uma vingança contra o agente que assassinou seu irmão mais velho e Tandy Bowen na busca por iluminação, fugindo da família desestruturada e uma vida de ações criminosas.

Diferente das HQs clássicas, o programa não constrói a ligação entre Manto (Tyrone Johnson) e Adaga (Tandy Bowen) como uma relação baseada em dependência, mas, sim, em uma noção delicada de que um traz complemento ao outro – abordando não só como o rapaz e a garota se ajudam a compreender suas habilidades, mas também questões pessoais. Por outro lado, a detetive Brigid O’Reilly (Emma Lahana, de Power Rangers DinoThunder) também marca presença, investigando a aparição de novos vigilantes, como costuma acontecer nos gibis desde os anos 80.

O’Reilly tenta entender a ligação entre estranhos ataques que acontecem na cidade. (Foto: Alfonso Bresciani)

Promissor, o seriado cativa ao se basear em um cenário mais realista e por tratar de temas sensíveis aos públicos jovens – mesmo sem deixar de explorar do dualismo luz/sombras. No entanto, é difícil ver onde Marvel’s Cloak and Dagger se encaixa no Universo Marvel, especialmente após Vingadores: Guerra Infinita.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.