Elseworlds: Novo crossover é divertida homenagem aos heróis da DC Comics

Uma tradição de fim de ano, o aguardado crossover entre as séries baseadas nos quadrinhos da DC Comics na emissora norte-americana The CW foi apresentado nesta semana. Inspirado no universo alternativo de Elseworlds (selo de HQs em que se encontram histórias fora do cânone da Casa das Lendas, como Um Conto de Batman – Gotham City 1889, Superman – A Guerra dos Mundos e Robin 300), o encontro de super-heróis acontece entre os episódios de número nove das temporadas atuais de The Flash, Arrow e Supergirl.

Desta vez, a trama tem seu início na Terra-90, onde vive o Barry Allen (John Wesley Shipp, protagonista do seriado do Flash dos anos 1990), remanescente do ataque de Mar Novu (LaMonica Garrett, de Sons of Anarchy), entidade cósmica também conhecida como Monitor. Capaz de modificar a realidade com o Livro do Destino (ou “Livro das Almas”), o vilão viaja até a Terra-1 (dimensão do Arqueiro Verde e Flash que conhecemos) para entregar o item de poder ao psiquiatra John Deegan (Jeremy Davies, de Lost), que trabalha no Asilo Arkham, em Gotham.

Os heróis também encaram o androide Amazo, capaz de reproduzir suas habilidades. (Foto: Jack Rowand/The CW)

Com a possibilidade de moldar o mundo a sua maneira, o inescrupuloso cientista começa seu reinado de trocando Oliver Queen (Stephen Amell, de As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras) e Barry Allen (Grant Gustin, de Glee) de lugar – sim, agora Oliver é o Flash, em Central City, e Barry é o Arqueiro Verde, de Star City. Sem conseguir fazer com que suas equipes originais acreditem na situação semelhante a “Sexta-feira Muito Louca”, a dupla busca a ajuda de Kara Danvers (Melissa Benoist, de Whiplash: Em Busca da Perfeição), a Supergirl, da Terra-38.

Depois de altos e baixos dos crossovers Crisis on Earth-X e Invasion!, Elseworlds acerta como uma saga divertida, rica e ambiciosa, que a todo momento surpreende com novidades e participações ilustres. Além de adicionar oficialmente o Flash de John Wesley Shipp ao multiverso dos programas recentes, o especial dividido em três partes conta com as presenças de Superman (Tyler Hoechlin, repetindo o papel desempenhado em Supergirl) e Lois Lane (Elizabeth Tulloch, de Grimm: Contos de Terror), além da estreia da Batwoman (Ruby Rose, de xXx: Reativado).

Batwoman deve ganhar sua própria série em 2019. (Foto: Jack Rowand/The CW)

Homossexual e de religião judaica, Kate Kane é descrita como uma interventora militar nos gibis da linha Renascimento e, em sua introdução no Arrowverse, assume a posição de maior guardiã da Cidade das Sombras no lugar de Batman, assim como o símbolo e traje do morcego. Hospedando Oliver, Barry e Kara no antigo prédio da Wayne Enterprises, a vigilante durona os auxilia através de uma missão que confirma a existência de antagonistas icônicos como Pinguim, Charada, Hera Venenosa, Bane, Senhor Frio, Cara-de-Barro e o Pirata Psíquico.

Pensando grande a ponto de iniciar a contagem para Crise nas Infinitas Terras – no crossover que ocorrerá em outubro de 2019 –, Elseworlds promove uma experiência com momentos engraçados, impacta ao fazer nossos heróis preferidos literalmente se colocarem no lugar dos outros e brinca de alinhar o Universo Estendido da DC nos cinemas e produções mais antigas como Smallville – As Aventuras do Superboy em um multiverso – no qual John Diggle (David Ramsey, de Blue Bloods) pode se tornar John Stewart, o Lanterna Verde.

Nada como voltar à fazenda dos Kent ao som do tema de abertura de Smallville. (Foto: Shane Harvey/The CW)

Na TV brasileira, a crossover Elseworlds será exibido pelo canal por assinatura Warner Channel no domingo (16/12), a partir das 22h50, na versão legendada, e com reprise dublada em 30 de dezembro, com transmissão também às 22h50.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.