Cloak and Dagger: Luz, sombras e dois adolescentes ligados pelo destino

Há horas na vida em que é preciso encontrar luz em meio a escuridão, mas também há momentos em que devemos encarar as trevas mesmo quando tudo parece estar iluminado. Difícil é passar por isso sozinho, especialmente quando você é adolescente. Nova aposta da Marvel, a série Cloak and Dagger mostra como um casal de jovens de Nova Orleans, nos EUA, tem suas jornadas entrelaçadas para que juntos possam encarar as tragédias e injustiças que o mundo colocou em seus caminhos.

Centrada nos personagens criados pela dupla de quadrinistas Bill Mantlo e Ed Hannigan em 1982, Manto e Adaga é uma produção desenvolvida pelo showrunner Joe Pokaski (produtor de Heroes), que tem sua primeira temporada composta por apenas 10 episódios e transmissão pelo canal de streaming Freeform. No seriado, Tyrone Johnson (Aubrey Joseph, de Noite Sem Fim) e Tandy Bowen (Olivia Holt, de Não Fui Eu) são ligados pelo destino desde a infância, compartilhando uma experiência única, que lhes dá poderes que se combinam.

Diferente dos gibis, a série não cria uma relação de dependência, mas completude. (Foto: Freeform/Alfonso Bresciani)

O enredo segue Tyrone e seus pais, Otis (Miles Mussenden, de Army Wives) e Adina (Gloria Reuben, de Mr. Robot: Sociedade Hacker), lidando com a dor de ter perdido o irmão, Billy (Marqus Clae, de Shots Fired), durante uma ação de violência policial, enquanto Tandy e sua mãe, Melissa (Andrea Roth, de Lugares Escuros), veem sua vida abastada desmoronar após a morte do pai, Nathan, (Andy Dylan, de 12 Anos de Escravidão) em um acidente industrial bizarro. Mesmo com pouco em comum, os dois percebem que estão conectados, apesar de seguirem caminhos inversos.

Marvel’s Cloak and Dagger explora o lado emocional de seus protagonistas, uma vez que Ty luta para reprimir (ou não) a raiva que sente pelos responsáveis pelo assassinato de Billy, à medida que se esforça para manter bom desempenho nas notas e no time de basquete escolar. Já Tandy, que tem sua família desestruturada, pratica pequenos golpes enquanto procura esclarecer o que houve com seu pai. Mesmo que aos trancos e barrancos, ambos encontram apoio um no outro, trocando experiências e compartilhando um objetivo.

No Brasil, a série Marvel – Cloak and Dagger é exibida pelo Canal Sony. (Foto: Freeform)

Como nos quadrinhos, a atração narra o surgimento de jovens vigilantes urbanos, que assumem a missão de acabar com a impunidade do corrupto detetive Connors (J.D. Evermore, de True Detective) e enfrentar a ameaça das Roxxon Corp., que, na busca por uma fonte ilimitada de energia, causaram a morte de dezenas de trabalhadores. Desafiando uma grande conspiração, Tyrone desenvolve a habilidade de se mover pelas sombras e Tandy demonstra o poder de conjurar lâminas, chamando a atenção da policial Brigid O’Reilly (Emma Lahana, de Power Rangers DinoThunder).

Com trilha sonora original e sensível – disponível no Spotify –, Cloak and Dagger promove alterações de mensagem e cenário em relação aos quadrinhos, apostando numa forma delicada de explorar a dualidade entre luz e sombras, que é personificada por dois jovens que se contrapõem. Porque, às vezes, sua alma gêmea é seu exato oposto.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.