Black Lightning: Ícone negro, herói luta por causas sociais na 1ª temporada

Quando a desigualdade, a injustiça e o crime organizado ameaçam uma comunidade, alguém precisa se impor na luta pelos injustiçados e oprimidos. Raio Negro, super-herói criado pelos quadrinistas Tony Isabella e Trevor Von Eeden, é o cara certo para isso e está na batalha desde 1977 – quando debutou nos gibis. Infelizmente, preconceito e violência são continuam problemas atuais, que acumulam vítimas na sociedade. Por isso, Black Lightning está de volta, na nova série em live-action da DC Comics, para mostrar que vidas negras importam.

Exibido pelo canal americano The CW, o programa desenvolvido pelos showrunners Salim Akil e Mara Brock Akil (ambos de Sparkle: O Brilho de uma Estrela e The Game) tem sua primeira composta por 13 episódios, que acompanham a saga de Raio Negro contra um sistema corrupto. Na trama, o protagonista Jefferson Pierce (Cress Williams, de Hart of Dixie), um pai divorciado, diretor de escola Garfield High e super-herói aposentado, que precisa retomar as patrulhas para evitar proteger sua família e os cidadãos de Freeland.

Apesar de não integrar o Arrowverse ainda, a série cita Supergirl e meta-humanos, de Flash. (Foto: DC)

Contando com o auxílio de Peter Gambi (James Remar, de Gotham) – seu amigo, alfaiate e suporte tecnológico –, Jefferson combate criminosos como a Quadrilha dos 100, o traficante Latavious (William Catlett, de The Mentalist) e o gângster Tobias Whale (Marvin ‘Krondon’ Jones III, de A Lei de Harry), que disseminam a droga chamada “luz verde”. Simultaneamente, Pierce deve esconder sua dupla identidade do oficial de polícia Bill Henderson (Damon Gupton, de Criminal Minds), que vive o dilema de permitir ou não que o justiceiro faça seu trabalho.

Diferente de Arrow, The Flash, Supergirl e Legends of Tomorrow, Black Lightning tem o senso familiar mais arraigado, acompanhando Jefferson Pierce na tentativa de se adaptar às agitadas vidas de suas filhas, Anissa (Nafessa Williams, de Code Black) e Jennifer (China Anne McClain, de Descendentes 2), e reatar sua ex-mulher, Lynn (Christine Adams, de Terra Nova). Além disso, as duas meninas também manifestam superpoderes e, claro, a veia heroica do pai, o que faz os Pierce estremecerem sob o medo diário que alguém não retorne para casa.

Invulnerável, Anissa se une ao pai no combate ao crime como a heroína Thunder. (Foto: DC)

Apesar de problemas de continuidade, ritmo e de se apoiar em soluções bastante simples, Black Lightning acerta ao levar tensões reais para o debate na TV, além de trazer referências e citações a personalidades da cultura negra, como o ativista Martin Luther King Jr. e o cantor Childish Gambino.

No Brasil, Raio Negro chega pelo serviço de streaming Netflix.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.