A Bela e a Fera: Um conto de fadas para todos

Um conto tão antigo quanto o tempo… Adaptação em live-action da obra da escritora francesa Jeanne-Marie Leprince de Beaumont, A Bela e a Fera (Beauty and the Beast, EUA, 2017) chega aos cinemas em 16 de março trazendo o melhor da animação clássica (saiba mais aqui) e, atenta aos dias de hoje, a superprodução da Disney demonstra-se inclusiva e sem preconceitos. Estrelada por Emma Watson (eterna intérprete de Hermione, em “Harry Potter”) e Dan Stevens (Legion), o filme, com sua mensagem, fotografia e trilha musical belíssimas, faz o sonho se tornar real.

Dirigido por Bill Condon (Dreamgirls: Em Busca de um Sonho), o longa-metragem se mantém fiel até mesmo aos menores detalhes do título de 1991, apresentando Bela como uma “estranha” (devido ao seu hábito de ler) habitante do vilarejo de Villeneuve, junto de seu pai, o cuidadoso inventor Maurice (Kevin Kline, de Um Peixe Chamado Wanda). Deslocada e desejando algo maior do que a vida provinciana oferecida pelo local, a jovem precisa conviver com as investidas de Gaston (Luke Evans, de O Hobbit: A Desolação de Smaug), um valentão de boa aparência.

Visualmente exuberante, a nova versão de A Bela e a Fera leva o conto de fadas a um novo nível sem perder a essência da versão clássica. (Foto: Disney)

Visualmente linda, A Bela e a Fera leva o conto de fadas a um novo nível sem perder a essência da versão clássica. (Foto: Disney)

Certo dia, como se por destino, Bela descobre que seu pai se perdera e, ao procura-lo, adentra o misterioso castelo de uma criatura monstruosa, que outrora fora o príncipe Kyle Kingson. Condenado a uma forma bestial por seu comportamento egoísta e grosseiro, o anfitrião aceita que a moça seja sua prisioneira ao trocar de lugar com o velho, sendo convencido por seus serviçais, o relógio Horloge (Ian McKellen, de “O Senhor dos Anéis”), o candelabro Lumière (Ewan McGregor, de Star Wars: Episódio II – Ataque dos Clones), o bule de chá Madame Samovar (Emma Thompson, de Nanny McPhee e as Lições Mágicas), a xícara Zip (Nathan Mack, de Babylon), a espanador Plumette (Gugu Mbatha-Raw, de Um Estado de Liberdade) e a guarda-roupa Madame Garderobe (Audra McDonald, de Private Practice).

Embalado pelas músicas Be Our GuestSomething There, The Mob Song, Days In The Sun, EvermoreHow Does A Moment Last Forever e Beauty and the Beast, o improvável romance entre a Bela e a Fera começa a surgir de maneira bastante sensível, com a garota mostrando que sua aparência frágil esconde um coração forte e o monstro indicando que pode ser alguém de belo caráter. Neste ponto, na disputa pelo coração de Bela, Gaston e a Fera representam exatos opostos, pois, enquanto um é a prova de que beleza externa não importa se o interior estiver vazio, o outro supera a feiura aparente para conquistar por sua alma cheia de compaixão e carinho.

Objetos inanimados? Horloge, Madame Samovar, Lumière e Plumette são a alma do filme! (Foto: Disney)

Objetos inanimados? Horloge, Madame Samovar, Lumière e Plumette são a alma do filme! (Foto: Disney)

Impecável nas atuações, figurinos, maquiagens e cenários, o filme impressiona pela perfeição com que materializa seus protagonistas (inclusive os objetos e móveis falantes) nas telonas e emociona aos mais nostálgicos por manter a trilha sonora composta por Alan Menken (que conquistou o Oscar de Melhor Trilha Sonora e Canção Original com a animação de 1991). No entanto, já entre as principais novidades estão a caracterização do engraçado LeFou (Josh Gad, Frozen: Uma Aventura Congelante) – o melhor amigo de Gaston – como homossexual e presença de personagens negros.

Em A Bela e a Fera, a amizade de Gaston e LeFou ganha um tom diferente. (Foto: Disney)

Em A Bela e a Fera de 2017, a amizade de Gaston e LeFou ganha um tom diferente. (Foto: Disney)

Embora não substitua o clássico de 1991, A Bela e a Fera em live-action é um conto de fadas perfeito para os amantes e desiludidos, destemidos e inseguros, para quem se encantou com a versão animada ou para aqueles(as) que vão ao cinema se apaixonar pela primeira vez.

A Bela e a Fera estreia nos cinemas nesta quinta-feira (16/03).

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado) em 2013 e fundador do Boletim Nerd. Realizou a cobertura da CCXP, Brasil Game Show e Campus Party e do lançamento de Logan, Mulher-Maravilha e Homem-Aranha: De Volta ao Lar.

Comentários estão fechados