Alien 40 anos: curtas mantêm vivo legado da franquia

Em 26 de abril, foi comemorado o Alien Day. A data não se refere ao dia exato no qual o primeiro filme da franquia chegou aos cinemas norte-americanos, mas, em inglês 04/26, faz alusão a um número que todo fã da saga conhece bem. O planeta LV – 426 é o lugar no qual a nave Nostromo encontra diversos ovos e acaba levando a bordo, sem saber, seu oitavo passageiro.

Para manter viva memória da criatura que foi fonte de pesadelos de uma geração de espectadores, a Fox aproveitou o aniversário de 40 anos da franquia para lançar uma série de curta-metragens, produzidos em parceria com a Tongal e o portal IGN. São seis histórias de terror e suspense, sem ligação entre si, a não ser pela presença do Xenomorfo.

Outra tradição mantida nos vídeos é o protagonismo feminino. Nos curtas, há apenas uma mulher em cena ou são elas que tomam as decisões mais importantes. Mas é em “Ore” que realmente vemos aquele espírito de luta avassalador dos longas da saga, com Lorraine Hawkes (Mikela Jay, de Falando com os Mortos), uma mulher prestes a ser avó liderando os mineiros de uma colônia para impedir que um Alien traga o terror aos moradores da superfície.

Pessimismo futurista

Os curtas ainda trazem mais um elemento bastante característico da série Alien: o pessimismo em relação ao futuro da humanidade. Embora estejamos falando de histórias que se passam daqui a mais de cem anos, a impressão é de que a tecnologia parece velha. Esqueça os painéis touch screen de Prometheus (2012) e Alien Covenant (2017). Aqui, naves com botões sujos de óleo, elevadores hidráulicos e canos de calefação mostram que, por mais que a humanidade tenha chegado às estrelas, ela o fez de maneira precária, numa busca desesperada por minérios e outros recursos.

Além de contribuir para o clima de suspense claustrofóbico, o visual interno das naves aumenta o realismo e também nos entrega uma visão nada animadora sobre o futuro. Mesmo no espaço, ainda temos pessoas trabalhando turnos extenuantes em tarefas insalubres para uma única companhia, que ainda se vê no direito de usá-los como cobaias em suas tentativas – sempre infrutíferas – de controlar uma criatura alienígena que é puro instinto de sobrevivência.

Em Alien, o mal humano sempre aparece como algo mais deformado que a própria criatura de sangue ácido. E, se depender dos seis curtas lançados nas últimas semanas, a Disney, que concluiu recentemente o processo de compra da Fox, tem material de primeira para manter o monstro no lugar que ele pertence: o imaginário sombrio da cultura pop. Assista a todos (de luz acesa) nesta matéria e fique ligado aqui no Boletim Nerd, pois ainda vamos falar mais sobre as diversas facetas da criatura em outras mídias nesse Especial Alien 40 Anos.

Comentários
Carlos Bazela

Carlos Bazela

Jornalista e leitor compulsivo, gosta de cerveja, café e chá preto não necessariamente nessa ordem. Fã de boas histórias, principalmente daquelas contadas por meio de desenhos e balões.

Comentários estão fechados.