8ª temporada: Guerra Total de The Walking Dead termina em melodrama

A Guerra Total entre as comunidades de Alexandria, Hilltop e O Reino contra os Salvadores chegou ao seu ato final com o último episódio da 8ª temporada de The Walking Dead, transmitido no Brasil pelo canal FOX no domingo (15/04). Após 16 capítulos, a série inspirada pelos quadrinhos de Robert Kirkman teve sua mais recente temporada concluída com mensagens sobre misericórdia, mas também sinalizou um racha entre Rick Grimes (Andrew Lincoln, de Strike Back) e Maggie Greene (Lauren Cohan, de Supernatural).

A adaptação do arco de quadrinhos “Total War” termina na 8ª temporada de TWD. (Foto: Gene Page/AMC)

Com cerca de 48min de duração, a season finale do oitavo ano de The Walking Dead tentou utilizar o legado de Carl (Chandler Riggs, de Pacto Maligno) – e dar propósito à inclusão do médico Siddiq (Avi Nash, de Assumindo a Direção) – para selar a paz no embate final entre Rick e Negan (Jeffrey Dean Morgan, de Watchmen: O Filme). Deste modo, com o pensamento nas palavras escritas pelo filho falecido (relembre como foi a despedida de Carl Grimes), Rick e a aliança de sobreviventes partem para o confronto derradeiro contra seus inimigos.

A morte de Carl foi o catalisador para a trégua entre Rick e Negan. (Foto: AMC)

Em clima de decisão, o episódio acompanha o desenrolar da emboscada preparada por Negan para acabar com Rick e seus aliados de uma vez por todas, porém, uma sequência de traições e da participação de Eugene (Josh McDermitt, de Twin Peaks) determinam a derrota do portador de do taco Lucille. No entanto, como indicava desde a midseason finale, a temporada de The Walking Dead se encerra com a paz, o perdão e a união prevalecendo sobre a ira e violência, pensando no desenvolvimento de uma saga mais elaborada para o futuro.

Dwight (Austin Amelio) ganha destaque nessa temporada de The Walking Dead. (Foto: Gene Page/AMC)

Por adotar tal mensagem, contudo, a série de zumbis instiga ao vislumbrar um mundo novo para Alexandria, Hilltop, The Kingdom, Os Salvadores e até Oceanside – a comunidade feminina, cuja discreta participação na guerra tenta justificar todo o esforço de Aaron (Ross Marquand, de Um Romance Proibido) em recrutá-la –, entretanto, ao apressar demais uma solução pacífica, acaba perdendo em adrenalina e coerência. Por isso, a oitava temporada do programa deixa a desejar em relação aos desfechos opacos dados a grande parte dos personagens principais.

Maggie não fica satisfeita com a decisão de Rick em poupar a vida de Negan. (Foto: AMC)

Apesar de ter abraçado seu lado trash e se aceitado como um seriado ruim – pois há a repetição de todos os erros e irregularidades de temporadas anteriores –, The Walking Dead não choca como antes, entretanto, provoca os fãs ao acenar para o surgimento de uma comunidade mais avançada e um conflito entre as lideranças de Rick e Maggie.

Em crise, Morgan migra para o spin-off Fear the Walking Dead. (Foto: Gene Page/AMC)

Sorte de Morgan Jones (Lennie James, de Snatch: Porcos e Diamantes), que agora participa de crossover com o spin-off Fear the Walking Dead (clique para saber mais).

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM e fundador do Boletim Nerd. Foi colaborador da Coluna Mundo Geek, da GloboNews, e foi palestrante na Campus Party Brasil. Realizou a cobertura da Comic Con Experience, Brasil Game Show e Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Comentários estão fechados.