4ª temporada: Agents of S.H.I.E.L.D. surpreende com Ghost Rider e “What If”

Mais do que a Hydra, tudo conspirava contra a primeira série do universo expandido Marvel na TV, dando a impressão de que Phil Coulson (Clark Gregg, de The New Adventures of Old Christine), Daisy Johnson/Tremor (Chloe Bennet, de Tinker Bell e o Monstro da Terra do Nunca) e companhia estavam com os dias contados. No entanto, para os fãs que resistiram bravamente aos últimos 3 anos do programa – exibido no Brasil pelo Canal Sony –, a 4ª temporada de Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. (saiba mais) chegou como algo totalmente novo e diferente!

Esta é a principal formação dos agentes da S.H.I.E.L.D..(Foto: ABC/Matthias Clamer)

Criada por Joss Whedon (The Avengers: Os Vingadores), Maurissa Tancharoen (Doll House) e Jed Whedon (Spartacus), o programa teve como principais destaques a presença do Motoqueiro Fantasma Robbie Reyes (Gabriel Luna, de Matador) e uma saga inspirada nas histórias em quadrinhos “What If”. Deste modo, a atração conseguiu se desvencilhar da questão dos Inumanos (tema de uma série solo – leia o review de Marvel’s Inhumans) e encontrar uma solução para o problema com os terroristas Cães de Guarda (ou “Watchdogs”, em inglês).

O novo Ghost Rider pilota um Dodge Charger. (Foto: ABC/Eric McCandless)

Desta vez, o seriado apostou em dois arcos bastantes distintos – divididos entre os 22 episódios da quarta temporada –, mas que, quando alinhados, puderam aproximar o misticismo da ficção científica hardcore. Propondo uma completa reinvenção de identidade, Agents of S.H.I.E.L.D. decidiu tirar seus personagens principais de lugares comuns, envolvendo romanticamente Coulson e Melinda May (Ming-Na Wen, de ER) e estremecendo a relação entre Leo Fitz (Iain De Caestecker, de Rio Perdido) e Jemma Simmons (Elizabeth Henstridge, de Penn Zero: Quase um Herói).

Supostamente um Inumano, Jeffrey Mace é o novo rosto da S.H.I.E.L.D..(ABC/Eric McCandless)

Agora sob a supervisão do novo diretor Jeffrey Mace (Jason O’Mara, de Liga da Justiça Sombria) – também conhecido como O Patriota –, os agentes da S.H.I.E.L.D. tiveram de solucionar o caso Ghost Rider, vigilante que trazia vingança aos criminosos de Los Angeles, espalhando sangue e fogo pelas ruas da cidade. Na sequência dos capítulos, a trama liga o passado do Motoqueiro Fantasma – mais precisamente o tio de Robbie, Elias Morrow (José Zuniga, de Constantine) – ao inédito livro Darkhold, que promete conhecimento ilimitado para quem o lê-lo.

No mundo digital de Framework, Aida surge como a poderosa Madame Hydra. (Foto: Marvel)

O item de poder desperta a atenção de muita gente, inclusive do “cientista maluco” Holden Radcliffe (John Hannah, de O Retorno da Múmia), que trabalha no desenvolvimento do modelo de vida artificial (“life decoy”, termo original) Aida (Mallory Jansen, de Galavant) – seu nome significa Assistente Inteligente Digital Artificial. Com foco em Radcliffe e Aida, o enredo foca numa discussão sobre consciência e realidade, levando os protagonistas à “Estrutura” (“Framework”, em inglês) – uma espécie de “Matrix” que imagina o mundo dominado pela Hydra.

No mundo reimaginado da Estrutura, personagens como Phil Coulson e Leo Fitz mudam de lado. (Foto: Marvel)

Em sua melhor temporada, Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. parece ter se encontrado, tornado-se entretenimento de alto nível para quem curte uma boa aventura. Prova disso é que a série nem precisou se apoiar nas conexões com os filmes Capitão América: Guerra Civil e Doutor Estranho.

Comentários
Henrique Almeida

Henrique Almeida

Jornalista formado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado) em 2013 e fundador do Boletim Nerd. Realizou a cobertura da CCXP, Brasil Game Show e Campus Party e do lançamento de Logan, Mulher-Maravilha e Homem-Aranha: De Volta ao Lar.